Onde andaram os partidos a gastar a subvenção? Em congressos, sondagens e muita propaganda

Partidos são obrigados por lei a comunicar as acções de propaganda que realizaram e os meios utilizados. Mas cada um classifica as despesas à sua maneira. Neste momento estão em falta oito partidos.

Foto
Rui Rio no congresso do PSD no final de 2021 Anna Costa

Em Maio do ano passado, quando Rui Rio ironizava sobre a “desgraça completa” da sondagem da Intercampus que colocava o PSD a 16,2 pontos do PS e no nível mais baixo desde, pelo menos, as legislativas de 2019, o líder social-democrata talvez tivesse outros resultados dos estudos de mercado que o partido encomendou à concorrência. Em 2021, o PSD encomendou sondagens no valor total de 75.600 euros, sendo a empresa preferida a Consulmark – só por uma vez foi cliente da Intercampus —, de acordo com a listagem de meios e acções de propaganda entregue na Entidade das Contas e Financiamentos Políticos. Não é possível saber as datas das sondagens, mas há facturas com numeração seguida, o que indicia que é a empresa fornecedora habitual do PSD. E há até uma factura com a indicação de que se trata de uma sondagem sobre Coimbra – presume-se que para aferir da viabilidade do apoio a José Manuel Silva, que acabou por roubar o município ao PS.

Sugerir correcção
Comentar