Só um terço dos ucranianos que chegaram a Portugal já podem trabalhar

Um mês depois de chegarem a Portugal, há pessoas refugiadas que não conseguem trabalhar por não terem certificado de protecção temporária. Atrasos têm sido da Autoridade Tributária, refere SEF. Finanças explicam que emitem número em 24h mas que “há situações pontuais de necessidade de confirmação adicional das identidades dos migrantes”.

Foto
Vera Lúcia Alves com Anna Kotova (à dir.) e Daryna Tolochoko (esq.), que acolheu em Portugal Daniel Rocha

Sugerir correcção
Ler 17 comentários