MP quer condenar dirigente do Tribunal da Relação: “gajo” e “corno” não são o mesmo

Dois magistrados travam guerra sem quartel há mais de uma década. Desembargador Marcolino de Jesus é acusado de ter difamado juíza Paula Sá. “Não lhe chamei puta”, defende-se.

Foto
A decisão judicial é conhecida nesta sexta-feira Rui Gaudêncio

São as últimas palavras com que se defende o desembargador Marcolino de Jesus, esta quarta-feira sentado no banco dos réus. Impávidos, os juízes conselheiros Supremo Tribunal de Justiça que o hão-de absolver ou condenar dentro de dias escutam-no.

Sugerir correcção
Ler 7 comentários