Serralves 2022: uma grande exposição de Rui Chafes, um pavilhão de Ryoji Ikeda e a alegria de pintar de Leonilson

Numa programação focada nos cruzamentos disciplinares e na relação da arte com a tecnologia, o hibridismo viral de David Douard, o trabalho de Rivane Neuenschwander com a matéria do quotidiano, a obra performática de Vera Mantero ou os desenhos de Maria Antónia Siza são outras propostas.

Foto
Philippe Vergne, director artístico do Museu de Serralves, na tarde desta segunda-feira durante a conferência de imprensa que anunciou a programação de Serralves 2022 josé sérgio

Sob o lema Renovar o Passado, Construir o Futuro, a Fundação de Serralves anunciou esta segunda-feira a programação para 2022, na qual se destaca uma grande exposição de Rui Chafes, cujas peças se dispersarão pelo Parque, mas ocuparão também várias salas do Museu, numa retrospectiva de todo o percurso do artista. Um dos momentos desse trajecto foi a sua colaboração com Vera Mantero em 2004, numa performance conjunta centrada no corpo da coreógrafa, e que esta irá agora reencenar em Serralves, que este ano lhe dedica também um dos principais momentos do seu programa de artes performativas.

Sugerir correcção
Ler 2 comentários