Masayuki Uemura (1943-2021), o engenheiro que nos pôs um salão de jogos nas mãos

O criador da consola mais icónica da Nintendo passou a vida a tentar descodificar o motivo do sucesso

Foto
Masayuki Uemura morreu aos 76 anos

Sem a Famicom, não haveria Super Mário, nem Luigi. Provavelmente, a febre dos videojogos ter-se-ia extinguido na década de 1980, com muitas consolas distintas e demasiados jogos maus. Em 1983, a consola de 8-bits da Nintendo mudou tudo. A Famicom — uma amálgama das palavras família e computador — foi a primeira consola da marca japonesa com cartuchos que davam para trocar (antes, os jogos vinham pré-instalados em consolas) e deu vida a séries clássicas como A Lenda de Zelda, Metroid e Super Mário. Na Europa e nos Estados Unidos, ficou conhecida como NES (Nintendo Entertainment System) depois de algumas alterações. Ao todo, foram vendidas quase 62 milhões de unidades em todo o mundo. Sem Masayuki Uemura, não teria existido a Famicom, nem a NES, nem a SNES (a versão super da consola, dos anos 1990).

Sugerir correcção
Comentar