O sistema de justiça juvenil continua a agir “como se a delinquência não coubesse no papel de género feminino”

Vera Duarte, professora de Criminologia na Universidade da Maia – ISMAI, diz que é preciso dar formação às equipas para que a intervenção tenha em conta as especificidades das raparigas.

Foto
Vera Duarte é professora de Criminologia na Universidade da Maia Paulo Pimenta

Estuda há 13 anos o fenómeno da delinquência juvenil. Investigadora do Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais (CICS.NOVA, Pólo UMinho) debruça-se sobre desvio juvenil no feminino. Registo de uma conversa – que começou por ser oral e continuou através da escrita – sobre intervenção sensível ao género.

Sugerir correcção
Ler 1 comentários