Oliveira e Agustina: memórias e confissões de dois electrões livres

Tomando de empréstimo o “princípio da incerteza” de Heisenberg, a Casa do Cinema Manoel de Oliveira propõe uma viagem à colaboração do cineasta com Agustina Bessa-Luís. Em simultâneo, duas outras exposições oferecem novas portas de entrada na multiplicidade da obra do realizador de Vale Abraão: A Comunidade, em Famalicão; e a sua faceta de fotógrafo, em Lisboa.

cinema,culturaipsilon,manoel-oliveira,serralves,livros,porto,
Fotogaleria
Nelson Garrido
cinema,culturaipsilon,manoel-oliveira,serralves,livros,porto,
Fotogaleria
Nelson Garrido
cinema,culturaipsilon,manoel-oliveira,serralves,livros,porto,
Fotogaleria
Nelson Garrido
cinema,culturaipsilon,manoel-oliveira,serralves,livros,porto,
Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido
M Leuven
Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido

Peças inesperadas e raras, como os diários de Fanny Owen comentados por Camilo, e objectos insólitos, como um coração musealizado, um píton vivo ou um pavão embalsamado, no Porto; o cinema como arte comunitária, em Famalicão; Manoel de Oliveira fotógrafo, em Lisboa. Há actualmente três exposições organizadas pela Casa do Cinema Manoel de Oliveira (CCMO) que vale a pena visitar. A começar pela mais recente, a que assinala na própria Casa, em Serralves, a relação criativa, mas não desprovida de polémica, do cineasta com Agustina.

Sugerir correcção
Comentar