Restaurantes: Comida de conforto, garrafeira a preceito

No tempo frio, as comidas de tacho são companhias altamente desejadas. Os restaurantes desta curta selecção sabem, como ninguém, os segredos dessas comidas de conforto que, ao longo dos séculos, foram sendo afinadas. Todos eles com boas garrafeiras onde não falta escolha em matéria de Vinho Verde.

Foto
Restaurante Bem-Me-Quer, Braga Nelson Garrido

Bem-Me-Quer

O restaurante Bem-Me-Quer nasceu em 1953, em Braga, num misto de pensão e casa de pasto, com Joaquina Maria Soares Gomes ao comando. Passados 68 anos, continua a senda de bem comer, com uma filha da fundadora à frente.

Já não há pensão, e o restaurante ocupa o piso de entrada, um espaço mais movimentado onde também fica a cozinha, e o primeiro andar, mais recatado e intimista.

Restaurante Bem-Me-Quer, Braga Nelson Garrido / Arquivo Público
Pudim do abade de Priscos, no restaurante Bem-Me-Quer, Braga Nelson Garrido / Arquivo Público
Fotogaleria
Nelson Garrido / Arquivo Público

No Bem-Me-Quer, a carta é desenhada tendo em conta um leque de pratos tradicionais e, muito importante, de temporada. Os destaques dos pratos de comida de conforto vão para as papas de sarrabulho, a meia desfeita e o bacalhau à moda de Braga (o conhecido bacalhau à Narcisa), onde a posta do fiel amigo é “vestida” com uma generosa cebolada e batatas fritas às rodelas. As iguarias tradicionais minhotas continuam com os rojões, as tripas enfarinhadas e o cabrito assado no forno.

No tempo dela (de Janeiro a Abril), há lampreia, em arroz ou à bordalesa e, também por essa altura, embora cerca de dois meses mais tarde, sável do rio Minho.

Nas sobremesas, merece destaque o pudim do abade de Priscos, vencedor de vários concursos, a sopa dourada ou o minhoto pão-de-ló com doce de ovos e amêndoa, numa bela ligação com gelado de baunilha.

A garrafeira tem um bom leque de opções com representantes de praticamente todo o país e uma alargada selecção de vinhos da região.

Bem-Me-Quer
Campo das Hortas, 6, Braga
Tel.: 253262095
Das 12h às 15h e das 19h às 22h
Encerra domingo ao jantar e à quinta
Preço médio: 25 euros

Os maranhos da Sertã e o bucho recheado são duas das especialidades do restaurante Santo Amaro. DR
A garrafeira do restaurante Santo Amaro, na Sertã, foi organizada com a colaboração do enólogo Aníbal Coutinho e inclui uma escolha criteriosa de referências da região dos Vinhos Verdes.,A garrafeira do restaurante Santo Amaro, na Sertã, foi organizada com a colaboração do enólogo Aníbal Coutinho e inclui uma escolha criteriosa de referências da região dos Vinhos Verdes. DR,DR
A sopa de peixe da Dona Helena é um dos pratos que justificam a visita ao restaurante Santo Amaro, na Sertã. DR
Fotogaleria
DR

Santo Amaro

A Sertã fica fora das grandes rotas turísticas de Portu­gal, mas começa a ser um apreciado local de turismo, muito por obra e graça da “descoberta” dos segredos, durante muitos anos bem guardados, da Estrada Nacional 2.

Longe dos grandes centros, mas muito perto do centro geo­gráfico de Portugal (no vizinho concelho de Vila de Rei), com as águas de várias ribeiras a banhá-la e com os enormes espe­lhos de águas formados pelas barragens de Castelo do Bode, Bouçã e Cabril dentro dos limites do concelho, a Sertã tor­nou-se nas últimas décadas um belíssimo destino para quem gosta de ar puro, lagos, floresta e boa mesa.

O destaque vai para o restaurante Santo Amaro, recente­mente beneficiado com uma discreta, mas bem conseguida, remodelação. A zona da Sertã tem uma gastronomia muito própria, sendo de destacar os maranhos, o bucho recheado, o cabrito e, exclusiva deste restaurante, uma sopa de peixe a não perder. O Santo Amaro, nome inspirado numa capela com a evocação deste santo, que lhe fica à ilharga, pratica uma cozi­nha muito honesta, com produtos locais e da época.

Para os mais apressados existe uma sala de entrada mais descontraída. O outro espaço, um pouco mais formal, pro­porciona refeições com outro sossego.

Tem uma boa garrafeira, organizada com a colaboração do enólogo Aníbal Coutinho, que oferece vinhos das principais regiões, incluindo uma escolha criteriosa de produções da re­gião dos Vinhos Verdes.

Santo Amaro
Rua 1.º de Dezembro, 15, Sertã
Tel.: 274604115
Das 12h às 15h e das 19 às 23h
Encerra terça ao jantar e à quarta
Preço médio: 20 euros

Foto
O grande especialidade do restaurante Fentelhas é o bacalhau, em diversas confecções. Nelson Garrido / Arquivo Público

Fentelhas

São Torcato é uma freguesia de Guimarães, tendo por orago o dito santo. De Torcato, pertencente a uma in­fluente família romana, diz-se ter sido homem de mui­ta fé e sabedoria. As suas relíquias são veneradas no santuário que ostenta o seu nome, ex-líbris da vila.

Numa encosta próximo deste santuário, está localizado o restaurante Fentelhas, um lugar de bem comer, de cozinha regional, com uma sala de boas dimensões e decoração que denota bom gosto.

Depois das entradas onde brilham os enchidos integral­mente feitos na casa – a saber: alheira, salpicão, chouriço de carne –, vêm os pratos principais, capítulo no qual a grande especialidade são os bacalhaus em várias confecções. O mais famoso é o bacalhau racheado (não é gralha, é mesmo esse o nome: o peixe abre-se em lascas, ou rachas). Brilham também rojões, galo de cabidela, cozido à portuguesa, bife especial fo­lhado e vitela assada.

A garrafeira, escusado será dizer, está bem fornecida, em particular no que respeita aos vinhos da região.

Fentelhas
Rua Pedro Homem de Melo, 111, São Torcato (Guimarães)
Tel.: 253551292. Das 12h às 14h
Sexta e sábado, também 19h30 às 22h30
Encerra à segunda
Preço médio: 25 euros

Foto
O galo recheado tem valido ao Pedra Furada vários prémios no Concurso do Galo Assado, promovido pelo município de Barcelos. DR

Pedra Furada

Primeiro, foi uma “venda”, aberta em 1946. Em 1974 transformou-se em restaurante, tomando para si o nome da terra. Mantendo-se fiel à sua história, esta casa mantém as paredes de granito e a lareira na sala principal. Para os meses quentes, há uma simpática esplanada.

A localização do Pedra Furada, num dos caminhos seguidos pelos peregrinos que rumam a Santiago de Compostela, torna-o bastante frequentado por aqueles romeiros, que ao longo dos anos lhe vão divulgando as virtudes de “boca a orelha”. António Herculano e as irmãs Lina e Madalena gerem o negócio. O seu galo recheado assado no forno tem arrebatado o primeiro prémio num concurso promovido pelo município de Barcelos.

Trata-se de uma casa de boa comida, tipicamente minhota, e um exemplo para todos os restaurantes da região, porque sempre que possível os produtos confeccionados são provenientes das hortas e das capoeiras da terra. Mas nem só de galo recheado vive o Pedra Furada. Há arroz de cabidela, cozido à portuguesa, cabrito assado em forno a lenha e papas de sarrabulho que têm a particularidade de serem comidas como sopa.

Apresenta uma garrafeira de bom nível, a permitir a escolha certa para cada prato.

Pedra Furada
​Rua de Santa Leocádia, 1415, Pedra Furada (Barcelos)
Tel.: 252951144
Das 12h às 15h e das 19h às 22h
Encerra ao jantar de domingo e de segunda
Preço médio: 20 euros

A comida de tacho é o forte do Saloio da Malveira. Serve de exemplo o arroz de perdiz malandrinho. Contraste/DR
Restaurante Saloio da Malveira (Mafra) Contraste/DR
A posta de carne de touro laminada é um dos trunfos do Saloio da Malveira. Contraste/DR
Polvo à lagareiro, no restaurante Saloio da Malveira Contraste/DR,Contraste/DR
Fotogaleria
Contraste/DR

Saloio da Malveira

Começou em 1969 como modesta taberna e casa de pasto. Vinte anos volvidos, transformou-se num res­taurante de referência. O Saloio da Malveira é um dos melhores restaurantes tradicionais de Portugal, com uma co­zinha muito séria e uma garrafeira de qualidade absolutamen­te insuspeita.

Quem está no comando das operações deste restaurante de ambiente informal, sem grandes luxos mas muito acolhedor, é Amílcar Soares, que sabe muito bem aconselhar o vinho que melhor possa emparelhar com cada prato.

No tempo frio, a comida de tacho, reconfortante, é o forte da casa, com um delicioso arroz de perdiz (ou de coelho bra­vo) a embandeirar em arco lá bem no alto. Mão de vaca com grão, cabrito assado no forno, bochechas de porco no tacho, vários bacalhaus, posta de carne de touro laminada e, entre muitas outras iguarias, uma imperdível sopa de rabo de boi, quente, cheia de sabor e altamente retemperadora.

Nas sobremesas, dois destaques: uma belíssima (a adjec­tivação não é exagerada) pavlova de frutos vermelhos e um pudim de abóbora com gelado de coco.

A garrafeira é muito completa, não só com as principais marcas, mas também pequenos produtores, que Amílcar faz questão de dar a conhecer aos clientes. Os melhores Vinhos Verdes não poderiam deixar de estar presentes.

Saloio da Malveira
Rua Armando Lucena, 22, Malveira (Mafra)
Tel.: 219862563
Das 12h às 15h e 19h às 22h
Encerra ao domingo e à segunda
Preço médio: 28 euros


Este artigo foi publicado no n.º 3 da revista Singular. 

Sugerir correcção
Comentar