Os comboios europeus têm um problema de comunicação

Há mais de 800 regras diferentes, em todos os países da UE. Os maquinistas têm de obter nível B1 na língua dos países estrangeiros em que conduzem. Os manuais técnicos têm de ser impressos em 24 línguas. A circulação ferroviária europeia é uma Torre de Babel.

Foto
muitos estados da UE exigem que os maquinistas dos comboios tenham um domínio da língua local — pelo menos ao nível B1 Paulo Ricca

Josef Doppelbauer, o chefe da Agência Ferroviária Europeia (ERA), pode explicar-nos por que razão quase tudo, a começar pelos regulamentos técnicos, é mais nacional que europeu. Em 2016, a agência, com sede em Valenciennes, no Norte de França, decidiu elaborar um inventário de todas as regras nacionais para o transporte ferroviário europeu. O resultado foi um catálogo com 14.312 entradas.

Sugerir correcção
Ler 3 comentários