Autarca pede mais meios para museu de Évora corrigir problemas de conservação

Recomendação enviada ao Governo constata que o Museu de Évora “tem um orçamento extraordinariamente baixo e insuficiente”. Em causa está preocupação com a situação da pintura de Pieter Brueghel que se encontrava no museu e que foi transportada para o Laboratório José de Figueiredo, em Lisboa, para restauro.

Foto
A fissura estará no pé de uma dos homens que transporta o tabuleiro rui gaudêncio

O presidente da Câmara de Évora, Carlos Pinto de Sá, reclamou esta sexta-feira um reforço de meios financeiros para o Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo colmatar a falta de condições de conservação do acervo. “Tendo nós lutado, durante anos e anos, para que o museu pudesse ser classificado como museu nacional, há agora necessidade que o Estado, a esta classificação, faça corresponder os meios e recursos para que exerça as suas funções”, afirmou o autarca.

Pinto de Sá falava à agência Lusa a propósito de uma recomendação aprovada esta semana, em reunião de câmara, por unanimidade, a “manifestar preocupação com a situação da pintura de Pieter Brueghel" que se encontrava no museu. O quadro, uma valiosa pintura de Pieter Brueghel , o Jovem e um dos ícones da colecção de arte do Novo Banco, foi recolhido daquele museu nacional, onde estava depositado, devido a problemas de conservação como noticiou o jornal PÚBLICO. A pintura, intitulada Festa de casamento,​ estava em exibição há mais de dois anos no Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo e foi há uma semana transportada para o Laboratório José de Figueiredo, em Lisboa, o organismo da Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC) responsável por trabalhos de conservação e restauro.

O autarca de Évora indicou esta sexta-feira à Lusa que a recomendação aprovada pelo município partiu de uma proposta apresentada pelos vereadores do PS, acrescentando que foi “consensualizada uma posição da câmara”.

Essa recomendação, que vai ser enviada ao Governo, constata que o Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo “tem um orçamento extraordinariamente baixo e insuficiente, até para as questões correntes quase”, referiu.

Pinto de Sá realçou que o executivo municipal está preocupado com “os problemas de conservação”, os quais não afectam “apenas aquela obra, mas a generalidade das obras”, pelo que a recomendação “chama à atenção do Governo para essa situação”.

“Há a necessidade de reforçar os meios para garantir que as obras que necessitam de determinadas condições de conservação tenham essas condições asseguradas”, sublinhou o autarca comunista.

A Câmara de Évora decidiu também “pedir para ouvir a directora do museu para perceber qual é a situação e quais são as preocupações e anseios e acompanhar, de uma forma permanente, as questões de património ligadas ao museu”, notou.

“Depois, face às reacções que tivermos, avaliaremos o que a câmara pode fazer no futuro”, acrescentou.

A pintura de Pieter Brueghel foi cedida pelo Novo Banco ao Museu de Évora com base num acordo geral assinado com o Ministério da Cultura em 2018.