A regeneração política em Timor “deve ocorrer imediatamente”

O ex-chefe da diplomacia timorense diz que próximas eleições em Timor-Leste vão revelar novos líderes. Trinta anos após o massacre de Santa Cruz, o país precisa de uma regeneração política “o mais depressa possível”, diz Zacarias da Costa.

Foto
Zacarias da Costa foi ministro dos Negócios Estrangeiros de Timor Leste Miguel Madeira

Zacarias da Costa, ex-ministro dos Negócios Estrangeiros de Timor-Leste e actual secretário executivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), tinha 27 anos e estava num autocarro a caminho de Braga quando soube do massacre de Santa Cruz. A 12 de Novembro de 1991, os militares indonésios mataram 271 timorenses — quase todos jovens — num cemitério de Díli, a capital. Outros cem morreram nos dias seguintes e os corpos nunca foram entregues às famílias. Trinta anos depois, o país precisa de uma regeneração política, diz o ex-ministro. “O mais depressa possível.” Os líderes actuais não estão a dar oportunidades aos jovens, lamenta Costa, mas as próximas eleições, em 2022 e 2023, vão revelar “caras novas” e uma vontade de mudança.

Sugerir correcção
Comentar