Instituto contraria conclusões da faculdade e mantém decisão de não apoiar Raquel Varela

Currículo da historiadora tinha 23 entradas duplicadas e 18 obras em que não eram identificados outros autores, diz o Instituto de História Contemporânea.

Foto
Pedro Cunha / PUBLICO

O Instituto de História Contemporânea (IHC) contraria as conclusões do Conselho Científico da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH) da Universidade Nova de Lisboa quanto ao Curriculum Vitae (CV) da investigadora Raquel Varela e continua a encontrar motivos para retirar o apoio à candidatura da historiadora ao Concurso de Estímulo ao Emprego Científico da Fundação para a Ciência e a Tecnologia. Havia 23 entradas duplicadas na lista de publicações e 18 obras relativamente às quais não eram identificados outros autores, segundo aquele centro de investigação.

Na quarta-feira, em comunicado, a Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH) da Universidade Nova de Lisboa afirmou que “não existe matéria que comprometa a integridade da componente bibliométrica” do CV de Raquel Varela, na sequência de uma avaliação feita por dois elementos do seu Conselho Científico aos “erros” detectados pelo IHC.

Em nota escrita da direcção do IHC, enviada ao PÚBLICO esta sexta-feira, o centro de investigação, ao qual a investigadora pertenceu até ao mês passado, avança que a reitoria da Universidade Nova recebeu, no dia 6 de Outubro, um “relatório detalhado e documentado com os erros que o IHC identificou no currículo que a investigadora em causa apresentou ao concurso promovido pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia”.

O IHC encontra, no comunicado emitido pela FCSH, a confirmação de muitas das suas conclusões. Desde logo, como o PÚBLICO assinalava na quarta-feira, elencando 30 artigos em revistas indexadas na ISI Thompson, na Scopus e na CAPES Qualis A. “Foi este mesmo número que o relatório do IHC apurou, por contraste com a informação veiculada no currículo, onde se referia a publicação de 67 artigos em revistas indexadas naquelas três bases de dados”, sublinha a direcção do instituto.

Segundo o comunicado da FCSH, o CV de Raquel Varela omite co-autores e co-editores de várias obras a que a historiadora está associada. Estas omissões “foram igualmente identificadas pelo relatório do IHC, que sinalizou 18 casos de omissão”, valoriza também o centro de investigação.

Da mesma forma, a faculdade reconhece que existem duplicações de entradas. Acrescenta o IHC: “A este respeito, o relatório do IHC identificou 23 situações.”

Além disso, segundo o IHC, o comunicado da FCSH “erra ao afirmar que a investigadora em causa é autora de 36 artigos publicados entre 2016 e 2021” porque “não subtrai os efeitos de duplicação de entradas”. De acordo com o relatório do IHC a investigadora foi autora de 24 artigos naquele período.

Destes 24 artigos, foram publicados 13 em revistas indexadas na ISI Thompson, na Scopus ou na CAPES Qualis A, nove dos quais sendo de autoria individual, diz o IHC. “Estes números diferem do que é afirmado no currículo em causa, em que a investigadora diz ter publicado, como autora individual, em revistas indexadas nas três bases de dados, e nos cinco anos anteriores à submissão da candidatura, 38 artigos”.

Por isso, e “atendendo à indisponibilidade da candidata para proceder à verificação e correcção do currículo em causa”, o IHC mantém a decisão de deixar de ser instituição de acolhimento da candidatura ao concurso da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, concluiu o instituto na nota enviada ao PÚBLICO.