Rui Rio acusa críticos de tentativa de “assalto ao poder” e de estarem “meio loucos”

Paulo Rangel diz ser “estranho” que o PSD dê o “privilégio” de escolher a data das directas a António Costa.

Foto
Rui Rio insiste que seria de bom senso o PSD adiar as eleições directas LUSA/FERNANDO VELUDO

Rui Rio rejeitou as críticas lançadas nas últimas 24 horas em torno do adiamento da marcação das eleições internas, acusando a oposição de “querer destruir” o resultado conseguido nas autárquicas e de tentar um “assalto ao poder”. As declarações aos jornalistas, num tom irritado, foram feitas à entrada para o conselho nacional, que decorre na noite desta quinta-feira num hotel em Lisboa.

Acompanhado pelo vice-presidente Salvador Malheiro e por José Silvano, secretário-geral do PSD, o líder social-democrata insistiu na ideia de que “qualquer português, qualquer militante” entende que seria melhor adiar a marcação das directas para depois da votação do Orçamento do Estado e considerou que as críticas a essa “sugestão” foram “ataques com carácter pouco nobre”.

“Lamento que o partido tenha chegado a este estado depois das autárquicas”, disse, referindo que a sua sugestão será formalizada numa proposta ao conselho nacional.

“No espaço de 15 dias já estão a tentar destruir o elã conseguido nas autárquicas”, afirmou, escusando-se, no entanto, a comentar o anúncio da candidatura de Paulo Rangel. Afirmando que não se está a referir em concreto ao eurodeputado, Rui Rio ripostou contra os críticos: “Perderam o sentido das coisas e estão meios loucos”.

Questionado sobre se tem legitimidade para ser candidato às legislativas sem haver directas no partido, o actual líder respondeu irritado: “Claro que sim...essa pergunta não faz sentido nenhum”.

Momentos depois, Paulo Rangel afirmou estar confortável com “qualquer calendário eleitoral” interno, mas disse estranhar que o PSD “ponha nas mãos de António Costa” as datas das eleições para escolher o novo líder social-democrata. “Dá a António Costa o supremo privilégio de escolher a data. É estranho”, disse, admitindo que se for essa a opção da maioria dos conselheiros aceitará.

O eurodeputado referia-se ao argumento invocado ao princípio da noite de ontem por Rui Rio para adiar a marcação das eleições directas, depois de a direcção do partido ter enviado aos conselheiros nacionais duas propostas de datas alternativas. Sobre o anúncio da sua candidatura, que será esta noite no conselho nacional, Rangel não se quis pronunciar. Depois do tom irritado de Rui Rio, o eurodeputado quis deixar uma mensagem de tranquilidade: “Não tenho medos, receios, não estou nervoso”. 

O eurodeputado chegou ao hotel acompanhado pelo líder da distrital do Porto, Alberto Machado, pelo eurodeputado José Manuel Fernandes, e pela deputada Margarida Balseiro Lopes, que foi mandatária de Luís Montenegro nas últimas directas. 

Questionado sobre se está a protagonizar um assalto ao poder, como diz Rui Rio, Paulo Rangel lembrou que foi a direcção do partido que abriu o processo eleitoral interno ao convocar para hoje um conselho nacional para agendar a data das directas e do congresso. A escolha foi feita pela direcção “isoladamente”, disse.