Os sacrificados

Um filme sobre as sequelas da guerra que começa muito bem mas se perde desnecessariamente, desperdiçando actores e material.

ipsilon-papel,cultura,ipsilon,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
Sobra apenas a sensação de um filme que ficou por fazer
ipsilon-papel,cultura,ipsilon,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
ipsilon-papel,cultura,ipsilon,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
ipsilon-papel,cultura,ipsilon,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria

Depois de ter abordado o populismo de direita em Esta Terra é Nossa, o belga Lucas Belvaux atira-se às feridas da guerra da Argélia nesta adaptação de um romance de Laurent Mauvignier. O melhor de Coisas de Homens é a sua inteligente estrutura narrativa, que parte do tempo presente para construir aos poucos, por acumulação quase impressionista, um mosaico de vivências e episódios. No centro estão dois primos que partilharam o serviço militar na Argélia, e as sequelas da guerra que deles fizeram quem são hoje. O filme começa numa festa de aniversário onde velhos rancores vêm ao de cima, para depois a história ir rodando por múltiplos narradores que, cada um à sua vez, insere uma peça que clarifica os eventos.

Sugerir correcção
Comentar