O CCB está a “mundar” com a nova temporada

O Centro Cultural de Belém apresentou a primeira temporada com a assinatura mais completa de Delfim Sardo. Entre os mundos de Gil Vicente e Jonathan Saldanha, de Philip Glass e Jacques Rancière, pensam-se os ecos culturais dos espectáculos.

politica-cultural,elisio-summavielle,teatro,culturaipsilon,centro-cultural-belem,musica,
Fotogaleria
Jonathan Uliel Saldanha vai programar uma série de concertos, no âmbito do projecto Carta Branca Nelson Garrido
politica-cultural,elisio-summavielle,teatro,culturaipsilon,centro-cultural-belem,musica,
Fotogaleria
A ópera de câmara Orphée, de Philip Glass, é um dos destaques da programação DR
politica-cultural,elisio-summavielle,teatro,culturaipsilon,centro-cultural-belem,musica,
Fotogaleria
Oleg Degtiarov <i>Kind</i>, a terceira parte da trilogia familiar da companhia belga Peeping Tom

Depois da apresentação da “destemporada” no Verão, uma consequência das incertezas causadas pela pandemia, o Centro Cultural de Belém (CCB) continua a inventar palavras para comunicar a sua programação e desta vez escolheu criar um verbo novo, “mundar”, para falar da temporada 2020-2021, apresentada esta terça-feira aos jornalistas num pequeno-almoço que teve lugar no Jardim das Oliveiras.