Rapazes são o parente pobre da educação mas continuam a ter melhores salários

Quase nada mudou no fosso entre rapazes e raparigas que se instalou no sistema de ensino. Eles continuam a chumbar mais, estão em maioria nos cursos que não têm o superior como saída óbvia e em minoria entre os licenciados. Mas no mercado de trabalho continuam a ganhar mais.

Foto
Os rapazes estão em larga maioria entre os alunos que chumbam Rui Gaudencio

É um círculo vicioso que perpetua as desigualdades na educação. No caso de género. E que pode ser ilustrado com valores como estes em Portugal, 60% dos alunos que em 2019 chumbaram no ensino básico eram rapazes; o género a que pertenciam também 52,35% dos que então reprovaram no secundário.