#MeToo aumentou a consciencialização sobre a conduta sexual, mas reduziu os maus comportamentos?

Os especialistas não se confessam optimistas com grandes mudanças desde 2018, sobretudo devido às dinâmicas de poder.

Foto
Reuters/POOL

Não foi há dez ou 20 anos que o governador de Nova Iorque, Andrew Cuomo, andava a apalpar as mamas ou o rabo às mulheres com quem trabalhava, mas em 2019 e 2020, segundo a acusação da procuradoria-geral do Estado. Ou seja, aconteceu depois do movimento #MeToo e de ter defendido publicamente a legislação que reforçou a protecção das vítimas de assédio sexual ou violação.