Português resiste. Médias baixam até 3 valores nas outras disciplinas mais concorridas

Notas dos exames nacionais de Matemática, Física e Química e Biologia e Geologia recuam para valores mais próximos do habitual, antes das regras especiais seguidas no ano passado terem feito disparar os resultados.

Foto
Reveladas médias dos exames nacionais Nelson Garrido

As médias dos exames nacionais de Matemática A, Física e Química e Biologia e Geologia caíram entre 2 e 3 valores face ao ano passado. Os resultados, divulgados esta segunda-feira pelo Ministério da Educação, estão bem mais próximos do que era habitual em anos anteriores, confirmando que as regras especiais seguidas nas provas do secundário do ano passado, devido à pandemia, foram responsáveis pelos resultados extraordinários que se verificaram. Entre as disciplinas mais concorridas, a excepção é Português, que mantém a mesma média.

Entre as disciplinas em que se realizou um maior número de provas neste ano, a única em que o resultado nacional está abaixo dos 10 valores é Física e Química A (média de 9,8), à qual respondem os alunos do 11.º ano. É também aquela em que se verifica uma quebra mais acentuada da média face ao ano anterior. Em 2020, a nota de Física e Química era de 13,2 valores – baixou 3,4.

Mas, face às regras especiais que foram definidas no ano passado pelo Instituto de Avaliação Educativa (Iave), responsável pela elaboração das provas nacionais – com grupos de perguntas opcionais, onde só contavam as melhores respostas – importa fazer esta comparação também com o ano anterior, o último em que os exames tiveram as normais habituais. Em 2019, a média de Física e Química estava apenas 0,2 valores acima da que se verificou este ano. Isto é, o resultado fica dentro de uma variação que se pode considerar normal.

PÚBLICO -
Aumentar

Os exames do ensino secundário deste ano mantiveram grupos de perguntas opcionais, mas as provas tiveram até o triplo das perguntas obrigatórias de modo a evitar notas “demasiado elevadas”, segundo o Iave. Por isso, já era antecipado que seria mais difícil ter notas muito altas nos exames do secundário deste ano e que as médias nacionais nestas provas iriam baixar.

A evolução verificada em Física e Química foi semelhante à das provas de Biologia e Geologia (11.º ano, com 36.517 provas, a mais concorrida) e Matemática A (12.º ano, 34.124 provas). A média de Matemática ficou, este ano, em 10,6 valores, menos 2,7 valores do que em 2020 e abaixo, inclusive, do resultado de 2019 (11,5).

A Biologia e Geologia a média foi de 12 valores, menos 2 valores do que no ano passado, mas acima dois anos anterior, em que esteve sempre perto de 11.

Entre as quatro disciplinas mais concorridas – todas acima de 30 mil provas realizadas – apenas Português escapa a esta tendência. A média nacional mantém-se nos 12 valores. Mas os resultados divulgados esta segunda-feira pelo Ministério da Educação são também coerentes com o verificado no ano passado. O exame da língua materna tinha sido um dos poucos em que não houve uma subida acentuada de notas em 2020 – o aumento da média nacional foi de apenas 0,2 pontos percentuais. Nos dois anos anteriores, a média tinha estado próxima dos 11 valores. Portanto, não tem havido variações significativas nos resultados desta prova.

História e Filosofia destoam

Na Economia A (13.277 inscritos) o fenómeno é semelhante ao verificado na prova Português. A média do ano passado não tinha subido de forma extraordinária e este ano também não desce muito. Fixou-se nos 12,2 valores – menos 0,4 do que em 2020 e mais 0,2 do que em 2019.

Em sentido contrário, Geografia A, a quinta prova com mais inscritos este ano, comporta-se de forma semelhante a Matemática A ou Biologia e Geologia. Ou seja, a média baixa quase 3 valores – de 13,6 para 10,7 –, aproximando-se dos resultados habituais, entre os 10 e 11 valores.

Há apenas duas disciplinas, entre as oito mais concorridas, onde as médias se mantêm acima do que era habitual antes de 2020. A Filosofia, a média nacional baixa 0,8 valores para 12,2, mas ainda está bem acima do que se verificava em 2019 e 2018 – 9,8 e 11,1, respectivamente.

A História a realidade é semelhante. A média deste ano é de 12,9 valores, menos 0,5 do que no ano passado. Mas quando a comparação se faz com os anos anteriores à pandemia, ainda está longe do normal, que seria uma média mais próxima dos 10 valores.

Tal como no ano passado, os exames serviram apenas como prova de ingresso no ensino superior. O período de candidaturas às universidades e politécnicos públicos arranca na próxima sexta-feira, prolongando-se até ao dia 20 de Agosto. Estão disponíveis 52.242 lugares para novos alunos. Os resultados da 1.ª fase de ingresso são conhecidos no final de Setembro.