O crime da condução anti-social

É urgente saber, porque se trata de comportamentos perigosos posteriores ao mediático acidente que envolveu o BMW atribuído a Eduardo Cabrita na A6, a que velocidade circulavam, nos dias 5 e 12 de Julho, as viaturas do primeiro-ministro na A1, do ministro do Ambiente na A2 e de pelo menos duas secretárias de Estado na A1.

Assim, de repente, lembro-me de Paulo Portas a esmagar um Mercedes contra o carro de uma copy-desk do Expresso parada num semáforo da Av. Fontes Pereira de Melo; de Garcia Pereira a vangloriar-se por conduzir o carro como um Fórmula 1 em campanha eleitoral; de Rui Rio a experimentar um BMW na A1 a 220 km/h e a admitir que a menos de 120km/h adormecia ao volante; de Jorge Sampaio a dizer nunca circular a mais de 120km/h em auto-estrada mas os seguranças irem a 140km/h  para o poder acompanhar e os jornalistas terem de acelerar até aos 160k/h para não o perderem de vista; de Mário Soares a ser apanhado a 200km/h, a insultar os agentes da GNR e a dizer que o Estado é que ia pagar a multa; de Marcos Perestrello a desfazer um Mercedes oficial quando fazia dele uso pessoal. E depois há episódios como o do motorista de Manuel Pinho, que alegou ir em marcha urgente de interesse público quando apanhado a 212 km/h na A1 (sem que o ministro tirasse os olhos do jornal, dentro da viatura); o episódio em que o motorista de António Costa alegou marcha urgente ao ser apanhado a 160km/h na A2, quando conduzia o então presidente da Câmara Municpal de Lisboa para um jogo de futebol no Estádio do Algarve; ou aquele em que o motorista de Mário Mendes, ex-secretário-geral de Segurança Interna, alegou marcha urgente após chocar com o carro do presidente da Assembleia da República, ao descer a Av. Liberdade a 120km/h em hora de ponta sem parar em nenhum semáforo. E há o caso recente em que o motorista de Eduardo Cabrita, ainda ministro da Administração Interna (MAI), atropelou um cidadão na A6 em zona de obra assinalada, circulando a uma velocidade ainda não determinada, em circunstâncias de marcha, urgente ou não, ainda não conhecidas publicamente.