Carro em que seguia ministro Cabrita envolvido em atropelamento que fez uma vítima mortal

Acidente aconteceu na autoestrada A6 e será investigado pela GNR. Vítima mortal era um trabalhador que fazia manutenção da via e tinha 43 anos.

acidentes,seguranca-rodoviaria,politica,estradas,gnr,psp,
Fotogaleria
LUSA/Paulo Cunha
acidentes,seguranca-rodoviaria,politica,estradas,gnr,psp,
Fotogaleria
LUSA/Paulo Cunha
acidentes,seguranca-rodoviaria,politica,estradas,gnr,psp,
Fotogaleria
LUSA/Paulo Cunha

O carro em que seguia Eduardo Cabrita, ministro da Administração Interna, sofreu esta sexta-feira um acidente de viação que provocou a morte de um homem de 43 anos. O homem, que morreu atropelado na autoestrada A6, é um trabalhador que fazia a manutenção da via, revelaram as autoridades.

Fonte do Comando Territorial de Évora da GNR explicou à agência Lusa que o acidente, ocorrido “por volta das 13h” na A6 no Alentejo, vitimou o homem que estava a executar “trabalhos de manutenção” da auto-estrada.

“O corpo já foi transportado para o gabinete médico-legal de Évora”, acrescentou a mesma fonte, explicando que o trânsito, nesse troço da A6 e no sentido em que aconteceu o sinistro, o de Évora - Lisboa, “foi condicionado para trabalhos de limpeza da via”.

O acidente nesta auto-estrada, que liga Marateca à fronteira do Caia, em Elvas (distrito de Portalegre), aconteceu ao quilómetro 77.

Contactado pela Lusa, o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Évora disse que o alerta para o acidente rodoviário foi dado aos bombeiros às 13h14 e confirmou que a vítima mortal foi “um trabalhador” de uma empresa “que estava a fazer a manutenção da via”. O homem ainda “foi assistido”, mas “acabou por falecer no local”, assinalou a mesma fonte do CDOS.

Segundo a GNR, as circunstâncias em torno deste acidente vão ser averiguadas pelo Núcleo de Investigação Criminal de Acidentes de Viação (NICAV) do Destacamento de Trânsito de Évora.

Segundo o avançou o MAI, em comunicado, o acidente foi participado pela Guarda Nacional Republicana e “será naturalmente investigado, de acordo com os procedimentos em vigor”. O ministro “lamenta profundamente o sucedido e apresenta sentidas condolências à família enlutada”, diz a nota.