Adeus, presidência

A quarta presidência portuguesa da UE talvez não tenha tido um símbolo como o Tratado de Lisboa, mas teve sucesso e resultados concretos. A marca que deixa? O futuro da Europa o dirá.

Termina nesta quarta-feira a presidência portuguesa da UE. As presidências são sempre uma oportunidade. Durante um semestre, os Estados-membros podem conduzir os destinos da União e, mais do que isso, projectar os interesses nacionais na agenda europeia. E os que melhor o conseguem são os que fazem coincidir a agenda europeia com os interesses nacionais. Ora, se isto é verdade em geral, é-o, por maioria de razão, para os Estados pequenos e médios, como Portugal, que têm um peso limitado na União e vêem o semestre da presidência como uma oportunidade única de o potenciar.