A malta dum bairro argentino

Um filme que exibe uma personalidade indesmentível, com suficiente força para que se marque o nome de Clarisa Navas como o realizadora a seguir com atenção.

queer-lisboa,critica,cinema,culturaipsilon,pedro-costa,argentina,
Fotogaleria
As Mil e Uma: profunda relação entre paisagem geográfica e paisagem social
queer-lisboa,critica,cinema,culturaipsilon,pedro-costa,argentina,
Fotogaleria
queer-lisboa,critica,cinema,culturaipsilon,pedro-costa,argentina,
Fotogaleria
queer-lisboa,critica,cinema,culturaipsilon,pedro-costa,argentina,
Fotogaleria
Um em mil
Fotogaleria

Um realismo intenso, muito físico e muito geográfico, é ao mesmo tempo a força e o limite deste curioso filme argentino, segunda longa-metragem de uma realizadora jovem e ainda pouco conhecida internacionalmente, Clarisa Navas. O cenário é um bairro pobre e um pouco degradado (também socialmente) de Corrientes, cidade no norte da Argentina, perto da fronteira com o Paraguai, que Navas conhece bem porque foi onde cresceu — e o filme, ao que podemos saber pelas entrevistas da realizadora à imprensa argentina que a internet nos traz, concilia actores profissionais com amadores recrutados no bairro (que se chama Las Mil, nome que parcialmente explica o título), a começar pela protagonista, Sofia Cabrera, amiga de infância de Clarisa.