Greenvolt planeia entrada em bolsa com operação de 150 milhões

Oferta Pública Inicial consistirá inteiramente numa oferta de novas acções ordinárias emitidas pela empresa a investidores institucionais.

Foto
João Manso Neto, ex-líder da EDP Renováveis, é o presidente executivo da Greenvolt Daniel Rocha

A Greenvolt anunciou esta quinta-feira uma Oferta Pública Inicial de cerca de 150 milhões de euros dirigida a investidores qualificados, com aumento de capital reservado adicional e simultâneo de 56 milhões de euros como contrapartida da aquisição da polaca V-Ridium.

Num comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Greenvolt, Energias Renováveis precisa que pediu a admissão das suas acções ordinárias à negociação na Euronext Lisbon e que a Oferta Pública Inicial (IPO na sigla em inglês) consistirá inteiramente numa oferta primária de novas acções ordinárias emitidas pela empresa a investidores institucionais.

O grupo Altri compromete-se a permanecer como accionista de referência e maioritário da Greenvolt, adianta a empresa no comunicado. O “free float” mínimo estabelecido como meta é de 25%.

“Após mais de 20 anos de história de constante evolução no que a Greenvolt é hoje, a nossa empresa continua a estar plenamente empenhada nas suas raízes e princípios de criação de valor económico para os accionistas, pessoas e sociedade de forma sustentável”, referiu o CEO da Greenvolt, João Manso Neto, citado no comunicado.

O responsável adianta que a IPO da “Greenvolt tornará visível o seu valor, a ser partilhado com investidores de mercado, e proporcionará à empresa independência de capital para continuar a satisfazer as suas ambições de crescimento”.

“O nosso accionista Altri, o conselho de administração e eu acreditamos que esta será uma oportunidade única para os investidores participarem na estratégia de consolidação da nossa principal actividade de biomassa e no nosso plano claro de abordar o crescente mercado europeu de Renováveis através de um importante actor pan-europeu no desenvolvimento, com amplas capacidades nos mercados europeus mais exigentes em termos de projectos”, refere Neto no comunicado.

A Greenvolt acredita ser o principal operador de energia de biomassa em Portugal, com uma quota de mercado de 48%, detendo uma carteira de cinco centrais de biomassa com uma capacidade agregada de 98 Megawatts (MW) de injecção.