Cuidado com as conclusões sobre o declínio dos espermatozóides no ocidente

Cientistas encontraram falhas num estudo divulgado em 2017 que apresenta uma versão sobre uma ameaça à fertilidade dos homens ocidentais que não tem fundamento científico e que tem sido usada por grupos de extrema-direita nas suas teorias. É tempo de olhar para versões alternativas, reclamam.

Foto
Daniel Rocha

Afinal, as notícias sobre um declínio na contagem de espermatozóides entre os homens dos países ocidentais não são motivo para grandes inquietudes. Um estudo divulgado esta segunda-feira na revista Human Fertility retoma uma investigação que surgiu em 2017 e apresenta agora uma nova interpretação dos resultados sobre um preocupante declínio de espermatozóides observado que poderia até, no limite, conduzir-nos a uma possível extinção da espécie humana. No entanto, para os cientistas do Harvard GenderSci Lab as variações naturais que existem na contagem dos espermatozóides não devem ser generalizadas e não podem servir de base a extrapolações sobre uma maior ou menor fertilidade na população. Entre outros argumentos.