Os órfãos de Estaline

Konchalovsky ainda é capaz de brilhantismo.

ipsilon,andrei-konchalovsky,critica,cinema,culturaipsilon,russia,
Fotogaleria
Sem ser “melodramático” (porque é seco como uma rocha), recupera a mecânica do melodrama histórico
ipsilon,andrei-konchalovsky,critica,cinema,culturaipsilon,russia,
Fotogaleria
ipsilon,andrei-konchalovsky,critica,cinema,culturaipsilon,russia,
Fotogaleria
ipsilon,andrei-konchalovsky,critica,cinema,culturaipsilon,russia,
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

Andrei Konchalovsky parece longe dos tempos de maior fama internacional. Aquela passagem por Hollywood nos anos 80, se teve alguns pontos altos (Os Amantes de Maria, Comboio em Fuga), ter-lhe-á danificado a reputação, que nunca mais foi a mesma desde o final da década de 70, momento em que (sobretudo por um filme como Siberiade, grande sucesso internacional) Konchalovsky representava — com o irmão Nikita Mikhalkov e alguns outros — a primeira linha de um “novo cinema” soviético ou, liminarmente, russo. Quase tudo o que fez depois da sua aventura americana, e do regresso à Rússia pós-URSS, viveu numa certa palidez quando comparado com o poder de atracção que o seu nome tinha nesses outros tempos. Faltam-nos instrumentos para saber o que representa Konchalovsky dentro da Rússia contemporânea, e como é que os russos o vêem (sabendo-se que o irmão Nikita se tornou uma das figuras mais poderosas, e mais próximas do poder, do cinema dessa nova Rússia), mas a impressão que dá é que soube preservar uma dose de independência (a acreditar no genérico de Caros Camaradas!, é produtor de si próprio), e uma margem de liberdade para ir alinhando filmes pessoais, com uma relação crítica (ainda que ambígua, para não dizer enigmática) com o presente e o passado do seu país.