Sérgio Sousa Pinto está onde a esquerda sempre esteve

Não estranho que lhe repugnem as discussões bizantinas da moda, que cortam a Humanidade às fatias e são pasto para todos os extremismos. Assim como não estranho que procure consolo onde quer que ainda sobrem pessoas com quem se possa conversar. Não foi Sérgio Sousa Pinto que fugiu da esquerda; foi a esquerda que o deixou a falar praticamente sozinho.

Qualquer pessoa, seja de direita ou de esquerda, acha sempre uma atitude muito civilizada que outra pessoa do campo oposto concorde consigo em algum assunto. Aceitar o contrário é que é mais difícil. É uma lei infalível da política: quando um adversário se aproxima de nós, é porque é um livre-pensador; quando um dos nossos se aproxima do adversário, é porque é um traidor.