Os dias da língua e a (tantas vezes má) língua dos dias

Gente muito dada a cravos e a revoluções escreveu por estes dias: “25 de abril sempre!” Acham que é assim, com o Acordo Ortográfico de 90.

Pela segunda vez desde que foi instituído, vai ser celebrado dia 5 o Dia Mundial da Língua Portuguesa. O dia não foi propriamente escolha da UNESCO, que consagrou em 2019 uma data, o 5 de Maio, já instituída pela CPLP como Dia da Língua Portuguesa e da Cultura (na CPLP, evidentemente) dez anos antes, em 2009. Tudo muito institucional. O programa das festas foi anunciado na passada segunda-feira à imprensa, com uma agenda internacional que, segundo as notícias, “inclui conferências, colóquios, concertos, concursos literários e de poesia e iniciativas académicas”. Coordenadas, claro está, “pelo Camões” (não o vate, mas o instituto que lhe copiou o nome), as iniciativas decorrerão “em todas as regiões do mundo”. Mais de 150 actividades em 44 países, é obra. Isto além de várias iniciativas locais, como a promovida pela Foz Literária, sugestivamente intitulada “A Língua Portuguesa tem dias…”, que contará com comunicações de António Aresta e Francisco Miguel Valada. Apresentada por José Valle de Figueiredo, será transmitida por Zoom no dia 5 de Maio, pelas 17h30.