Dois mortos em incêndio numa habitação na Malveira

Seis pessoas ficaram desalojadas. Morreram um homem e uma mulher, ambos com mais de 80 anos, que residiam no imóvel.

Foto
PAULO PIMENTA

Duas pessoas morreram esta terça-feira e outras seis ficaram desalojadas na sequência de um incêndio num antigo edifício no centro da Malveira, concelho de Mafra. A informação foi confirmada ao PÚBLICO pela GNR local e pelos Bombeiros Voluntários da Malveira.

O alerta para o fogo na habitação foi dado às 4h37. Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro de Lisboa disse à Lusa que o incêndio, que causou duas vítimas mortais, ficou resolvido às 5h45 e envolveu 17 operacionais, com o apoio de oito veículos.

O comandante do Destacamento Territorial de Mafra, capitão Ferreira da Silva, disse ao PÚBLICO que as vítimas são um homem e uma mulher, ambos com mais de 80 anos (um tinha 86 anos e outro 83). “Quando chegámos ao local, antes das 5h, constatámos que havia uma habitação a arder, que, segundo pessoas no local, tinha duas pessoas no interior”, explica o capitão Ferreira da Silva.

Os bombeiros da Malveira conseguiram, com dificuldade, entrar na habitação e localizar a primeira vítima que foi retirada já em paragem cardiorrespiratória. “A senhora ainda foi sujeita a manobras de reanimação por parte da equipa da Viatura Médica de Emergência e Reanimação, que acabou por confirmar o óbito”, conta o comandante Miguel Oliveira, da corporação da Malveira.

A segunda vítima, um homem que se encontrava acamado numa outra divisão da habitação, foi localizada mais tarde, igualmente em paragem cardiorrespiratória. Os restantes seis residentes já se encontravam no exterior quando os bombeiros chegaram ao local.

Miguel Oliveira explica que o edifício antigo com rés-do-chão e primeiro andar estava dividido em três habitações, uma das quais não estaria ocupada. O rés-do-chão, onde terá começado o fogo, ficou com o interior completamente destruído, uma parte devido à acção directa do fogo e outra devido ao calor intenso e ao fumo. O primeiro andar também ficou danificado essencialmente devido ao fumo intenso. 

O comandante dos bombeiros da Malveira explica, no entanto, que só nos próximos dias, já com o edifício arrefecido, será possível avaliar eventuais danos estruturais do imóvel e decidir se parte pode voltar a ser habitado sem outras intervenções. 

Os corpos das vítimas já foram transportados para um gabinete médico-legal onde serão autopsiados, tendo a investigação do caso ficado ao cargo da Polícia Judiciária, que terá que verificar se existe algum indício de crime.