Fernando Medina resiste a Carlos Moedas

Primeira sondagem sobre a corrida à Câmara de Lisboa mostra que Carlos Moedas não belisca Fernando Medina.

Foto
Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa rita rodrigues

Fernando Medina poderá reforçar em cinco pontos percentuais a votação que teve em Lisboa nas últimas eleições autárquicas, de acordo com a sondagem feita pela Intercampus para o jornal Novo, nas bancas pela primeira vez nesta sexta-feira. Em sentido inverso, se a votação nas urnas vier a confirmar este estudo de opinião, a coligação liderada por Carlos Moedas perderá seis pontos em relação a 2017.

Os números avançados pela Intercampus colocam Fernando Medina (candidato do PS) na órbita da maioria absoluta, com 46,6%. Já o candidato do PSD e do CDS (e de outros partidos que o apoiam) não vai além dos 25,7%. Há quatro anos, o socialista teve maioria relativa com 42% dos votos, Assunção Cristas (CDS) obteve um resultado histórico de 20,59% e Teresa Leal Coelho (PSD) não foi além dos 11,22%.

A grande aposta autárquica de Rui Rio, por todos elogiada, parte assim de uma posição que a coloca a mais de 20 pontos de distância do actual presidente que se recandidata. 

Em 2017, a CDU foi a quarta força mais votada, com 9,55% (dois mandatos), seguida do Bloco de Esquerda (um mandato), com 7,14%. Finalmente, o PAN abteve 3,03%, sem nenhum mandato. Foi o vereador bloquista que acabou por funcionar como fiel da balança na autarquia, aceitando pelouros e funcionando como o fiel da balança que contribuiu para a maioria de Medina.

Nesta sondagem, a CDU continua a surgir logo depois do PSD e CDS, apesar de perder mais de dois pontos em relação às eleições — João Ferreira obtém 7,1% das intenções de voto. Beatriz Gomes Dias, a senhora que se segue, também não faz antever uma melhoria na performance do Bloco, que passaria para 6,6% se as eleições fossem hoje.

Taco a taco, o Chega, que candidata Nuno Graciano, surge com 6,1%, e mais atrás aparece a Iniciativa Liberal, com o seu cabeça de Lisboa, Bruno Horta Soares a conquistar apenas 2,3% do potencial eleitorado. No estudo de opinião, o último lugar cabe ao PAN com 0,5%.

Realizado pela Intercampus entre os dias 8 e 13 de Abril, o estudo publicado nesta sexta-feira na primeira edição do Novo consistiu em 611 entrevistas presenciais e directas, realizadas por 24 entrevistadores em todo o concelho de Lisboa. A taxa de resposta foi de 63%. O erro máximo de amostragem deste estudo, para um intervalo de confiança de 95%, é de +/-4%.