França: “Lei dos separatismos” sai do Senado mais “robusta” ou “divisiva”

Senado francês reabriu polémica do hijab, proibindo as menores de o usarem em público, e introduziu proibições como as bandeiras em casamentos. Palavra final é da Assembleia Nacional.

Foto
Uma mulher muçulmana em Paris Youssef Boudlal/Reuters

A lei que Emmanuel Macron apresentou o ano passado para combater o separatismo no islão saiu do Senado reforçada: para a oposição de direita, que propôs e aprovou as mudanças, é agora “um texto mais robusto” pronto para cumprir o seu desígnio, na expressão de Max Brisson, do Partido Republicano; a esquerda, que se opõe ao projecto, considera que a lei “divide, fragiliza e estigmatiza a tal ponto que separa”, acusa Eliane Assassi, do grupo CRCE, de maioria comunista.