Quase um quinto dos alunos do 3.º ano sem computador no primeiro confinamento

Acesso à internet também foi limitação para 15%. Alunos revelam dificuldades em ter um sítio sossegado para estudar em resposta a questionário que acompanhou testes de diagnóstico feitos em Janeiro.

Foto
Paulo Pimenta

Quase um quinto dos alunos do 3.º ano não tinha acesso um dispositivo que lhes permitisse acompanhar as aulas à distância durante o primeiro confinamento, revelam os resultados de um questionário de contexto que acompanhou os testes de diagnóstico feitos pelo Instituto de Avaliação Educativa (Iave), em Janeiro – e que foram apresentados esta segunda-feira. Os estudantes também dizem ter tido dificuldades em encontrar um sítio sossegado para estudar em casa.

De acordo com os indicadores revelados pelo Iave, 17% dos alunos do 3.º ano disseram não ter à disposição um computador, tablet ou telemóvel que lhes permitisse ter acesso aos conteúdos digitais disponibilizados pelos professores durante o período de ensino remoto. Além disso, 15% destas crianças nem sempre tinha acesso à Internet.

O estudo diagnóstico feito pelo Iave , foi acompanhado por um questionário de contexto, a que os estudantes responderam no final dos testes, destinado a recolher dados sobre a forma como cada família e cada escola lidou com o ensino à distância. Os alunos foram questionados em Janeiro, antes de o segundo confinamento ter levado a um novo encerramento das escolas. Estes resultados reflectem, por isso, o que aconteceu no ano lectivo anterior.

A falta de um equipamento ou de condições de acesso à Internet são apresentadas como as principais limitações do primeiro período de ensino à distância pelos alunos do 3.º ano. A questão tecnológica já não é apontada como entrave pelos alunos do 6.º e 9.º anos, que também participaram no estudo. Para estes, uma das maiores dificuldades foi a “falta de motivação para o estudo” naquele contexto, segundo um quinto dos alunos do 6.º ano e um terço dos colegas do 9.º ano.

Transversais aos três anos de escolaridade são as “dificuldades em ter acesso a um sítio sossegado para estudar” em casa. Foi o que revelaram 20% dos alunos do 3.º ano e 16,3% dos que frequentam o 6.º ano.

Os dados do Iave dão também pistas para perceber de que forma os professores responderam ao desafio do ensino à distância no primeiro confinamento. Quase dois terços dos docentes do 3.º e 6.º ano passaram as aulas à distância a “ler o manual com os alunos”. As estratégias pedagógicas foram “mais focadas em fazer exercícios relacionados com a matéria” (74,6% no 3.º ano, 85,9% no 6.º ano e 85,5% no 9.º ano) e no recurso a aulas síncronas dadas através do computador (64,3% no 3.º ano, 66,4% no 6.º ano e 71,3% no 9.º ano). A nova Telescola foi principalmente usada pelos alunos mais novos – 63,7% das crianças do 3.º ano dizem ter usado as aulas gravadas como recursos de aprendizagem.

O Iave sublinha também que “houve muito empenhamento” das famílias durante o período do ensino à distância. A maioria dos pais (76,6% no 3.º ano, 76,4% no 6.º ano e 62,6% no 9.º ano) quis saber se os alunos estavam a realizar as tarefas escolares e também se estavam a aprender naquele contexto – 69,6% no 3.º ano, 72,0% no 6.º ano e 57,4% no 9.º ano.

Do mesmo modo, os alunos revelam ter tido apoio das escolas, sobretudo no 3.º ano. Cerca de metade das crianças recebeu contactos dos professores para perceber se estava a conseguir realizar as tarefas propostas (51,9%) ou para saber como se estava a sentir (42,6%).

Outro indicador dos efeitos do confinamento sobre as crianças e jovens tem a ver com a prática de actividade física. Segundo o inquérito do Iave, a grande maioria dos alunos (96,5% no 3.º ano, 82,8% no 6.º ano e 72,8% no 9º ano) diz ter “sentido falta do desporto” na escola.