Em 30 anos, as florestas africanas perderam 86% dos seus elefantes

Relatório da União Internacional para a Conservação da Natureza dá conta de uma queda de 86% na população de elefantes da floresta nos últimos 31 anos e 60% nos elefantes da savana, nos últimos 50 anos. A culpa é dos ataques humanos e da perda de habitat.

Foto
REUTERS/Njeri Mwangi

O número de elefantes nas florestas africanas caiu mais de 86% nos últimos 31 anos, anunciou a União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN), atribuindo a queda aos ataques humanos e à perda do seu habitat.

O relatório da UICN, divulgado a 25 de Março, dá conta da existência de 415 mil elefantes nas savanas e florestas africanas, classificados como vulneráveis, apontando uma redução de 86% na população de elefantes da floresta nos últimos 31 anos e de uma queda de 60% nos últimos 50 anos entre os elefantes da savana, de acordo com o documento citado pela agência Associated Press.

“Vimos países como a República Centro-Africana, onde os atacantes tornaram-se bandidos, tornaram-se rebeldes e desestabilizaram todo o país”, afirmou o ministro da Água e Florestas do Gabão, Lee White, considerando que grande parte dos ataques e do tráfico de marfim é feito de forma transfronteiriça por sindicatos do crime.

“Oitenta a 90% do nosso marfim vai para a Nigéria e acaba por financiar o Boko Haram, por isso esta é mesmo uma guerra transfronteiriça contra o crime organizado e até contra o terrorismo”, acrescentou o governante. A batalha para proteger os elefantes nas florestas do Gabão transformou-se numa autêntica guerra, vincou o ministro.

Elefantes no Parque Nacional Amboseli, no Quénia. REUTERS/Baz Ratner
Elefantes no Parque Nacional Amboseli, no Quénia. REUTERS/Baz Ratner
Elefantes na Reserva Nacional Maasai Mara, no Quénia. REUTERS/Baz Ratner
Fotogaleria
REUTERS/Baz Ratner

“Transformámos biólogos em guerreiros, transformámos pessoas que se juntaram para observar os elefantes e trabalhar na natureza, nos parques nacionais, em soldados que foram para a guerra para garantir a sobrevivência dos elefantes”, explicou.

Os elefantes na África subsaariana sofrerem um rude golpe com um pico nos ataques entre 2008 e 2012, nomeadamente no norte de Moçambique e no sul da Tanzânia, onde se estima que cerca de 100 mil elefantes de savana tenham sido mortos nesse período.

“Os elefantes africanos desempenham um papel fundamental nos ecossistemas, nas economias e na nossa imaginação colectiva em todo o mundo”, disse o director-geral da UICN, Bruno Oberle. O responsável salientou que “com a procura persistente de marfim e as pressões humanas cada vez maiores em África, a preocupação com estes animais é grande”.

Apesar do declínio geral, algumas populações de elefantes da floresta estão a recuperar devido a medidas de conservação, como as que foram tomadas pela República do Congo. Na Área de Conservação Transfronteiriça Cubango-Zambeze, os números de elefantes da savana estão estáveis ou a crescer, disse a UICN.