Paulina ainda tem esperança de enterrar o corpo de oito familiares

Vinte anos após a queda da ponte de Entre-os-Rios, ainda há muitos familiares que não fizeram o luto dos que perderam. O facto de 36 corpos não terem aparecido não ajuda. Se alguns decidiram “apostar na vida”, outros nunca retomaram uma nova normalidade.

Foto
Memorial às vítimas da queda da ponte de Entre-os-Rios. Nelson Garrido

Paulina está ao portão de casa a conversar com uma vizinha, com a distância a que pandemia obriga. A casa é uma moradia de dois pisos, pintada de amarelo, onde reluz o cromado da caleira. Estamos em Raiva, no concelho de Castelo de Paiva, a freguesia à qual a queda da ponte de Entre-os-Rios, uma tragédia que faz hoje 20 anos, roubou mais residentes. Paulina foi dos que mais perderam. As águas do Douro engoliram-lhe a mãe, o pai, um irmão, uma irmã, dois cunhados e três sobrinhos pequenos. Ao todo, nove familiares.