Fotogaleria

As Cataratas do Niágara voltaram a congelar (e o fenómeno é cada vez mais frequente)

Que se saiba há registo de apenas um congelamento total das famosas Cataratas do Niágara. A fotojornalista da Reuters Lindsay DeDario registou um congelamento parcial desta atracção turística.

Lindsay DeDario/Reuters
Fotogaleria
Lindsay DeDario/Reuters

É sempre impressionante ver rios e cascatas cobertos por um manto branco de neve e gelo, a paisagem imobilizada pelo frio. Voltou a acontecer nas Cataratas do Niágara — localizadas no rio Niágara, no Leste da América do Norte, entre os lagos Erie e Ontário — naturalmente por culpa da queda abrupta de temperaturas nesta altura do ano. As fotografias da fotojornalista Lindsay DeDario (em serviço para a Reuters) mostram um fenómeno de congelamento parcial das cataratas que se tem repetido com mais frequência no início do século XXI. Aconteceu algumas vezes no século XX — há registo disso mesmo em 1906 e em 1911 —, assim como nos anos 2000, 2014, 2017 e, mais recentemente, em 2019. Que se saiba há registo de apenas um congelamento total das famosas Cataratas do Niágara, na fronteira entre o estado norte-americano de Nova Iorque e da província de Ontário, no Canadá: a 29 de Março de 1848. A outra vez em que a água deixou de correr foi em 1912. Segundo os especialistas, este será mais um sinal das alterações climáticas — que também têm assolado algumas regiões dos EUA. Recorde-se que em Agosto do ano passado um grupo de cientistas britânicos concluiu que, nos últimos 30 anos, a Terra perdeu 28 biliões de toneladas de gelo devido ao aquecimento global.

 

Lindsay DeDario/Reuters
Lindsay DeDario/Reuters
Lindsay DeDario/Reuters
Lindsay DeDario/Reuters
Lindsay DeDario/Reuters
Lindsay DeDario/Reuters
Lindsay DeDario/Reuters
Lindsay DeDario/Reuters
Lindsay DeDario/Reuters
Lindsay DeDario/Reuters
Lindsay DeDario/Reuters
Lindsay DeDario/Reuters
Lindsay DeDario/Reuters
Lindsay DeDario/Reuters
Lindsay DeDario/Reuters
Lindsay DeDario/Reuters
Lindsay DeDario/Reuters
Lindsay DeDario/Reuters
Lindsay DeDario/Reuters
Lindsay DeDario/Reuters
Lindsay DeDario/Reuters
Lindsay DeDario/Reuters
Sugerir correcção