Alojamento local fecha 2020 com ocupação de 10% em Lisboa e 11% no Porto

Rendimento por quarto desceu no último trimestre de 2020 para sete euros, o que compara com 44 euros registados um ano antes

Foto
NELSON GARRIDO

Os indicadores frágeis que mostravam alguma actividade do Alojamento Local (AL) no terceiro trimestre do ano, e que beneficiou dos meses de Verão (de Julho a Setembro), voltaram a afundar-se no último trimestre do ano. De acordo com os dados agora publicados pela Confidencial Imobiliário, a taxa média de ocupação dos imóveis classificados como Alojamento Local (AL) caiu de 17% para 10% na cidade de Lisboa e de 22% para 11% no Porto.

De acordo com os dados apurados pela Confidencial Imobiliário no âmbito do Sir - Alojamento Local, a diária média pedida para os AL em oferta atingiu 74 euros em Lisboa e 62 euros no Porto no quarto trimestre de 2020. No mesmo período de 2019, tais valores eram de 81 euros e 69 euros, respectivamente.

Nos meses de Outubro a Dezembro, o RevPAR (rendimento por quarto disponível) encolheu para os sete euros em ambas as cidades, pouco acima do mínimo de seis euros registado em Lisboa no segundo trimestre. Este indicador tinha recuperado para 14 euros em Lisboa e 16 euros no Porto no terceiro trimestre.

Se a análise for feita em termos homólogos, e tendo em conta o quarto trimestre de 2019, verifica-se um declive ainda mais acentuado. “Nesse período, o AL em Lisboa registava uma ocupação média de 55% e um RevPAR de 44 euros. No Porto, tais indicadores eram então de 50% e 35 euros, respectivamente”, lê-se na informação enviada pela Confidencial Imobiliário.

Em termos de número de noites vendidas pode constatar-se que os últimos três meses de 2020 foram mesmo o período de menor actividade do ano, com cerca de 19.250 noites vendidas em Lisboa e 19.655 no Porto. Em ambos os casos, a queda face ao trimestre anterior é de cerca de 60%.

O volume de negócios caiu igualmente mais de 60%, ao atingir 1,42 milhões de euros em Lisboa e 1,21 milhões de euros no Porto. Em Lisboa, quer as noites vendidas quer o volume de negócios representam agora cerca de 8% dos níveis e actividade do período homólogo. No Porto, esse rácio é de cerca de 12% em ambos os indicadores, segundo a Confidencial Imobiliário.