Mattarella lança “bomba Draghi” na política italiana

A iniciativa presidencial apanhou os partidos de surpresa. A escolha do ex-presidente do BCE é uma medida extrema perante uma situação de emergência. A ideia deste “governo presidencial” é mais política do que parece.

Foto
ROBERTO MONALDO/POOL/EPA

Ao encarregar Mario Draghi, ex-presidente do Banco Central Europeu (BCE), de formar o próximo governo italiano, um executivo institucional e “de alto perfil” para sair do pântano político e enfrentar as múltiplas crises da Itália, o Presidente Sergio Mattarella faz uma jogada de alto risco e de derradeiro recurso perante uma situação extrema. Se Draghi falhar, não há “plano B”, a não ser convocar eleições antecipadas que, segundo o Presidente, paralisariam a Itália durante meses, em plena pandemia e em recessão económica.