Quase metade dos médicos entrou em exaustão física e emocional logo durante a primeira vaga da pandemia

Mesmo antes de os hospitais terem entrado em ruptura, quase metade dos médicos, enfermeiros e auxiliares de saúde estava em burnout e com perturbações de ansiedade. Estudo mostra ainda que o sofrimento psicológico já tinha chegado a 34% da população em geral, entre Maio e Agosto. Insa sugere criação de linha de apoio psicológico e emocional para os profissionais de saúde.

Foto
Os médicos da "linha da frente" no tratamento de doentes com covid-19 são os mais ameaçados pelo mal-estar mental Rui Oliveira (arquivo)

Além da exaustão física e emocional, quase metade dos profissionais de saúde (45%) começou a apresentar sinais preocupantes de sofrimento psicológico logo nos primeiros meses da pandemia. O estudo Saúde Mental em Tempos de Pandemia, realizado pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (Insa), a partir dos inquéritos feitos a 6079 pessoas, entre as quais 2097 profissionais de saúde, mostra que os profissionais que tratam doentes com covid-19 apresentam percentagens mais elevadas de ansiedade “moderada a grave” e têm um risco 2,5 vezes superior de entrarem em sofrimento psicológico. Sem surpresas, é também neste grupo de médicos, enfermeiros e auxiliares que os níveis de burnout são mais elevados, afectando 43% dos profissionais.

Os resultados deste estudo reportam-se aos inquéritos feitos entre Maio e Agosto, numa altura em que a pandemia estava ainda muito longe do cenário actual, em que os hospitais públicos estão a entrar em ruptura e sem meios para fazer frente à curva galopante de contágios e de mortos. E já nessa altura os profissionais de saúde, particularmente os que estão na linha da frente do combate à pandemia, denotavam sintomas de mal-estar mental, fosse pelo medo do contágio, fosse pela incerteza e estigmatização iniciais, bem como pela percepção de falta de apoio social e familiar. “Também a dificuldade em conciliar o trabalho e a família, bem como a necessidade de se afastar desta, é um factor de risco para o sofrimento psicológico”, aponta o estudo.

Na altura como agora, as sequelas da covid-19 na saúde mental não se limitam aos profissionais de saúde. Da ansiedade à depressão, passando pelo burnout e pela perturbação de stress pós-traumático, o sofrimento psicológico ameaçava já também 34% da população em geral, segundo o mesmo estudo, feito em colaboração com o Instituto de Saúde Ambiental da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa e com a Sociedade Portuguesa de Psiquiatria e Saúde Mental, com o objectivo de conhecer o estado de saúde mental tanto da população em geral como entre os profissionais de saúde e nos indivíduos infectados pelo SARS-Cov-2 e que tiveram de estar internados, em quarentena ou isolamento profiláctico.

Mulheres e desempregados

Entre as quase quatro mil pessoas que responderam aos inquéritos (excluindo os profissionais de saúde), 27% indicaram ter sintomas moderados a graves de ansiedade, 26% sintomas de depressão e outros 26% de stress pós-traumático. Se recuarmos aos resultados do estudo epidemiológico nacional de saúde mental feito em 2013 (ano de crise económica e social mas sem a disrupção causada pela pandemia), os sintomas de mal-estar mental eram significativamente mais baixos na população em geral: 16,5% apresentavam perturbações de ansiedade, 6,8% perturbações depressivas e apenas 2,3% sofriam de stress pós-traumático.

As mulheres, os desempregados e os trabalhadores com rendimentos inferiores a mil euros mensais eram os mais afectados na sua saúde mental, além dos jovens com idades entre os 18 e os 29 anos. Preocupavam-nos o medo de perder o emprego ou o rendimento, a dificuldade de conciliação entre o trabalho e a família e a incerteza relativamente ao futuro. “São ainda sobretudo as mulheres e os desempregados quem refere não ter acesso fácil nem a linhas de apoio psicológico e emocional nem a apoio psicológico e emocional presencial”, detalham os autores do estudo.

Entre os que tinham estado em quarentena ou isolamento profiláctico, ou que tiveram e recuperaram da doença, 72% reportaram sintomas de sofrimento psicológico. Mais de metade evidenciou sinais de “depressão moderada a grave”. Já entre os que passaram por um período de internamento hospitalar, dentro ou fora dos cuidados intensivos, 92% referiram sintomas de ansiedade nas duas semanas anteriores à realização dos inquéritos.

Do outro lado da moeda, foram os homens com mais de 50 anos, bem com os empregados e os reformados, quem apresentou os mais altos níveis de resiliência, “os quais são protectores relativamente ao sofrimento psicológico, ansiedade e depressão”. As novas formas de organização do trabalho não surgiram associadas ao mal-estar mental, pelo contrário: 83% afirmaram que o teletrabalho pode ser positivo. Por outro lado, a ansiedade manteve-se mais baixa entre os que conseguiram manter passatempos, hobbies e uma rotina diária.

Houve um aumento consistente do número de indivíduos em sofrimento psicológico e com ansiedade ou depressão, à medida que os inquéritos foram sendo repetidos no tempo. Ainda assim, os autores do estudo admitem que nos momentos em que as medidas de restrição foram aliviadas, e que coincidiram com os períodos em que havia menor número de casos e menos mortes, a percentagens de inquiridos em sofrimento psicológico diminuiu.

Linhas de apoio

Apesar de a pandemia ainda estar longe de fim, os especialistas do Insa alertam para a importância da saúde mental dos portugueses e consideram que aquela “deve ser considerada prioritária na definição de planos estratégicos de resposta à pandemia”. A curto prazo, sugerem que os grupos populacionais com perturbação psiquiátrica, doença crónica incapacitante, idosos e pessoas com menores rendimentos devem estar à frente na procura de soluções capazes de mitigar os efeitos psicológicos negativos associados à pandemia.

A monitorização da saúde mental das pessoas em quarentena ou isolamento profiláctico e dos profissionais de saúde também são medidas de curto prazo, segundo os autores do relatório, que enfatizam ainda a necessidade de garantir a continuidade do apoio psicológico e psiquiátrico a pessoas com perturbação mental, quer presencial quer remotamente.

A criação ou o reforço de linhas de apoio psicológico e emocional para os profissionais de saúde, em articulação com a medicina do trabalho, é outra das recomendações do estudo do Insa para o curto prazo. Mais para a frente, as recomendações incluem a criação de grupos comunitários online e de voluntários para apoiar as populações mais vulneráveis e o reforço da articulação entre serviços de saúde mental, bem como a criação de linhas de apoio específicas para as mulheres.