PÚBLICO foi o site de referência mais lido em 2020

Comparando com os dados revelados pelo Expresso e pelo Observador, o PÚBLICO teve mais 35% de visitas do que o primeiro e mais 4,3% do que o segundo. As visitas ao site do PÚBLICO cresceram 43 por cento.

Foto
O crescimento do tráfego do PÚBLICO tem vindo a ser acompanhado pelo aumento do número de assinantes Miguel Manso

O PÚBLICO foi o site de referência em Portugal com mais visitas ao longo de 2020. O PÚBLICO online totalizou mais de 276 milhões visitas durante o último ano, um crescimento de 43% face a 2019. O tempo médio de permanência dos leitores nas páginas do site aumentou 35% nos últimos 12 meses. Comparando com os dados revelados pelo Expresso e pelo Observador, o PÚBLICO teve mais 35% de visitas do que o primeiro (que registou um total de 203 milhões de visitas) e mais 4,3% do que o segundo (que registou 264 milhões de visitas).

Os dois últimos anos foram aqueles que registaram o tráfego mais elevado do PÚBLICO. O crescimento das visitas tem vindo a ser acompanhado pelo aumento do investimento publicitário no site, que no ano 2020 subiu 25%, e pelo número de assinaturas, que atingiu as 37.200 no início deste ano. A média da circulação paga diária em 2020 cresceu 33% face a 2019, com a edição impressa a diminuir 23% e a edição digital a subir 92% comparativamente ao ano anterior.

O PÚBLICO destacou-se pela sua cobertura da evolução do novo coronavírus, pelo acompanhamento das eleições americanas e por uma constante melhoria da sua oferta digital, seja com o lançamento de e-books ou de jogos online, seja pela reformulação da página de artigo. Os principais acontecimentos deste ano para esquecer foram documentados nesta página.

Em 2020, o PÚBLICO obteve cinco das 12 distinções possíveis nos Prémios de Ciberjornalismo, atribuídos pelo Observatório de Ciberjornalismo da Universidade do Porto.

Entre esses prémios figura o mais importante de todos eles, o de Excelência Geral em Ciberjornalismo (prémio do júri e do público), que o jornal recebeu pelo terceiro ano consecutivo, e o de Última Hora, devido ao trabalho de cobertura do primeiro estado de emergência no mês de Março, que coincidiu com o primeiro lugar em termos de alcance nacional no barómetro da Netscope.

Dada a situação de emergência em que o país se encontra, o PÚBLICO, recorde-se, mantém abertos todos os conteúdos relacionados com a covid-19, de modo que os leitores possam precaver-se nestes tempos de excepcionalidade. Todavia, mais de um terço dos nossos textos diários continua de leitura exclusiva dos nossos assinantes, que inclui, regra geral, a manchete, as aberturas de secções, os textos de opinião dos nossos colunistas convidados e os principais textos dos nossos suplementos.

Refira-se, também, que a edição impressa do jornal foi distinguida no European Newspaper Award, em cuja 22.ª edição recebeu 23 prémios, atribuídos pela Office for Newspaper Design, uma organização alemã que nomeia os jornais com melhor design na Europa, assim como várias distinções nos prémios ibero-americanos de design jornalístico ÑH 2020, com sete medalhas (três de prata e quatro de bronze) distribuídas pelas categorias de primeiras páginas, ilustração e infografias e projectos de dados online. A primeira página de 3 de Abril, sobre o milhão de mortes por covid-19, foi ainda eleita a capa do ano.