Autora do Jardim de Sophia, no Porto, “deveria ser convidada para o refazer”

Histórico da arquitectura paisagista em Portugal, Fernando dos Santos Pessoa escreveu, “incomodado”, carta a Rui Moreira.

Foto
O jardim de Sophia foi construído na década de 90 do século passado. Paulo Pimenta

O arquitecto paisagista Fernando dos Santos Pessoa escreveu a Rui Moreira, incomodado pela forma como decorreu o processo que redundou na decisão de destruir o Jardim de Sophia, para a construção, no local, de uma estação de metro da futura Linha Rosa. Saindo em defesa da autora do jardim, Marisa Lavrador, o antigo professor da Universidade de Évora defendeu que, a ser permitida a obra do metropolitano, a autora deveria ser convidada a refazer o espaço que projectou nos anos 90. 

Ao mesmo tempo que continua a correr, na internet, com mais de 1700 assinaturas, uma petição contra o arranque de sobreiros em Gaia e a destruição do Jardim de Sophia, no Porto, pela Metro do Porto, partiu do Algarve um dos últimos apelos à preservação do jardim junto à Praça da Galiza. O autor da carta a Rui Moreira, o arquitecto paisagista Fernando dos Santos Pessoa, é um dos históricos desta profissão em Portugal e co-autor, com Ribeiro Telles e outros, do capítulo sobre Ambiente da Constituição Portuguesa.

Este arquitecto paisagista defende a manutenção deste jardim, como previsto, aliás, na própria Declaração de Impacte Ambiental da linha de metro em causa. Mas assume que se o trabalho de Marisa Lavrador “tiver mesmo que ser sacrificado – o que em regra para engenheiros e alguns arquitectos nunca levanta objecções –, o mínimo que se poderia esperar da Câmara Municipal seria que convidasse a autora do jardim actual – e os jardins são obras de arte que se incluem nas Belas Artes – para fazer um novo projecto”. 

Dignificar a profissão

Com isto “se dignificava quem fizesse o convite e dignificava a profissional atingida”, escreve o antigo professor da Universidade de Évora, onde deu aulas a Marisa Lavrador, cujo “brio e profissionalismo” enaltece nesta carta. Nela assume o espanto por se ter convidado um arquitecto para intervir no local, mas, mais ainda, pelo facto de o gabinete de Eduardo Souto de Moura ter aceitado “sem rebuço” trabalhar aquele espaço assinado por outro autor. É algo que, considera este arquitecto paisagista, “deixa em aberto a questão da verdadeira ética profissional – simplesmente lamentável”. 

Souto de Moura já afirmou que não pretendia alimentar mais esta polémica. Responsável pela arquitectura de todas as estações da rede de metro, incluindo os espaços à superfície, no caso daquelas que são subterrâneas, como é o caso, o prémio Pritzker garantiu, ao PÚBLICO, que tentou envolver Marisa Lavrador no projecto de reformulação do jardim (cujo espaço vai ser escavado e usado também como estaleiro para a obra). Mas a arquitecta paisagista considera que os esforços foram tardios e insuficientes, e afirmou sentir que o seu trabalho estava a ser desrespeitado em todo o processo pelas várias entidades envolvidas: O município, a dona da obra, a Metro do Porto, e o gabinete responsável pelo projecto da estação. 

Foto
Paulo Pimenta

Para Fernando dos Santos Pessoa, Rui Moreira também não esteve bem, ao afirmar, numa assembleia municipal recente, que, nas mãos de Souto de Moura, o jardim “vai ficar perfeito” e “melhor do que o de hoje”. “Talvez o Senhor Presidente se tenha esquecido de que existe na Universidade do Porto uma licenciatura em arquitectura paisagista e esta desfeita será sentida por toda uma classe”, lamenta o autor da carta. 

Já em Novembro passado, a própria Associação Portuguesa de Arquitectos Paisagistas tinha demonstrado público incómodo pela forma como esta questão tem sido tratada. "Deixo esse apelo [à Metro do Porto] para que garanta a preservação do Jardim de Sophia [na Praça da Galiza] e, caso seja necessária alguma alteração, aquilo que se pede é que seja a autora do projecto [a arquitecta paisagista Marisa Lavrador] a resolver esse processo”, defendeu, em declarações à Lusa, o presidente da APAP, João Ceregeiro.

Classificar o jardim da Rotunda da Boavista

A Associação Portuguesa dos Arquitectos Paisagistas (APAP) juntou-se na semana passada às sete associações do Porto que enviaram este mês à Direcção-Geral do Património Cultural um requerimento propondo a classificação do monumento e jardim envolvente da Praça Mouzinho de Albuquerque, no Porto. Em carta enviada aos proponentes da classificação, o presidente da APAP, João Ceregeiro, assinala que “apesar da importância simbólica, histórica, patrimonial e arbórea desta praça, ela ainda não consta da lista de jardins e monumentos de valor patrimonial da cidade do Porto”, o que justifica que se junte àquelas organizações. 

A proposta de classificação do jardim e do Monumento aos Heróis da Guerra Peninsular foi inicialmente subscrita pela Árvore – Cooperativa de Actividades Artísticas, pela Associação Cultural e de Estudos Regionais, a Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto, a Associação Portuguesa dos Jardins Históricos, a associação de defesa do ambiente ​Campo Aberto, o Clube Unesco da Cidade do Porto e o NDMALO-GE, o Núcleo de Defesa do Meio Ambiente de Lordelo do Ouro – Grupo Ecológico.