Presidente lamenta “tempo perdido” devido aos unilateralismos em pandemia

No aniversário dos 75 anos das Nações Unidas e dos 65 da adesão de Portugal à ONU, Marcelo fez críticas indirectas à administração norte-americana de Trump e falou em “renovada esperança” com a eleição de Joe Biden.

Foto
Marcelo com "renovada esperança" no multilateralismo LUSA/MANUEL DE ALMEIDA

Sem nunca se referir aos EUA nem a Donald Trump, o Presidente da República de Portugal lamentou esta segunda-feira o “tempo perdido nos anos recentes” em relação ao multilateralismo, sobretudo durante a gestão da pandemia, mas ao mesmo tempo manifestou a “renovada esperança” porque “este final de 2020 que parece prometer um regresso ao multilateralismo” e “ao direito internacional”.

“Temos pela frente um novo tempo para dar expressão a desígnios a que já deveriam ser realidade, não fora o tempo perdido nos anos recentes, não fora a revisitação de egoísmos, de solipsismos de outras eras”, disse Marcelo Rebelo de Sousa na cerimónia comemorativa dos 75 anos das Nações Unidas e 65 da adesão de Portugal à ONU, no parlamento.

A mensagem é clara no contexto internacional: Marcelo Rebelo de Sousa refere-se em particular à administração norte-americana de Donald Trump, defensor assumido dos nacionalismos e crítico da Organização das Nações Unidas (ONU) que anunciou mesmo a retirada dos EUA da Organização Mundial de Saúde em plena gestão da pandemia, um exemplo paradigmático do seu posicionamento.

Marcelo pegou nesse exemplo: “Temos bem viva a experiência desta pandemia, que foi, logo de início, tudo o que não devia ter sido: dissimulação, fechamento, atraso na cooperação, luta selvática por meios, dificuldade em fazer vingar critérios e linhas orientadoras comuns. Recusa efectiva do que nos devia unir: mais sustentada cooperação global”, lamentou.

Um ponto também sublinhado por António Guterres, secretário-geral das Nações Unidas, numa curta mensagem em vídeo: “A colaboração entre Estados não tem estado ao nível das necessidades. Precisamos de mais colaboração internacional e instituições internacionais mais fortes”. E repetida por Augusto Santos Silva, ministro dos Negócios Estrangeiros: “Problemas comuns exigem respostas comuns, é preciso agir colaborativamente”, até porque hoje “é a própria sobrevivência do planeta que está em causa”.

A esperança do Presidente da República na futura administração de Joe Biden, assumido defensor das Nações Unidas e das suas instituições, foi quase explícita: “Temos confiança em que, no novo tempo a despontar, possam ser realidade os propósitos determinados de António Guterres e com ele de um sem número de Estados, de povos e cidadãos do mundo, para que as Nações Unidas possam conhecer uma nova vida a caminho do seu centenário”.