O Atchim! de Banksy em plena pandemia

Banksy continua a trabalhar e a inspirar-se na pandemia. Desta vez escolheu a parede exterior de uma casa em Totterdown, nos arredores de Bristol, no Reino Unido, para nos fazer rir apesar da covid-19.

banksy,bbc,artes,culturaipsilon,instagram,reino-unido,
Fotogaleria
"Aachoo!!” Reuters/REBECCA NADEN
banksy,bbc,artes,culturaipsilon,instagram,reino-unido,
Fotogaleria
Reuters/REBECCA NADEN

“Atchim!!” (ou “Aachoo!!” no original) foi o que Banksy escreveu no post que colocou na rede social Instagram, com o desenho de uma senhora de lenço na cabeça, que ao espirrar violentamente, fica sem dentadura (que é expelida para a atmosfera), e com um lenço na mão larga a carteira e a bengala que  também ficam suspensas no ar.

É a sua maneira de dizer ao mundo que a obra de arte assim intitulada e que está desenhada na parede exterior de uma casa em Totterdown, nos arredores de Bristol, no Reino Unido, é da sua autoria. Trata-se de uma rua peculiar, com uma inclinação e subida considerável e que o artista aproveitou como enquadramento para o seu desenho.

Mas neste conjunto de três fotografias, existe uma outra, bem divertida, encenada, em que se vê um transeunte a ser apanhado pela deslocação de ar do espirro da senhora do lenço, com o corpo todo inclinado para trás e um guarda-chuva aberto com as varetas todas torcidas como se estivesse no centro de uma ventania. E na terceira imagem, temos a noção perfeita de como aquela obra de arte fica “exposta” naquela rua.

À BBC, Dale Comley, de 27 anos, um residente na zona disse que na quinta-feira bem cedo, quando estava a tomar café pelas 7h da manhã e a espreitar pela janela, viu um “homem corpulento” que ele acredita ser o misterioso artista Banksy. Esse homem estava encostado a uma grade oposta à casa, onde agora está o grafito, a olhar fixamente para a parede. Uma hora depois, contou ainda à BBC, percebeu que a rua se tinha enchido de gente pois a imagem já se tinha tornado assunto nas redes sociais e nas notícias e muitos deslocaram-se ao local para a ver ao vivo. Um ex-habitante de um quarto alugado daquela casa, o marceneiro Fred Loosmore, conta o The Guardian, protegeu a obra com um acrílico.

Foto

A rua, por causa da sua inclinação, costuma atrair ciclistas destemidos.

Pinturas pelo mundo

Durante o confinamento, em Abril, o misterioso artista britânico tinha estado a trabalhar desde casa e foi partilhando as imagens da sua alegada casa de banho com ilustrações de nove ratos escalando prateleiras, destruindo rolos de papel ou assinalando os dias da quarentena na parede como se de uma simples prisão se tratasse.

Em Maio, o artista que opera sob o pseudónimo de Banksy​ e é conhecido por usar as suas obras, espalhadas por todo o mundo, para comentar assuntos noticiosos e problemas sociais, saiu à rua para pintar um menino a deixar o Batman e o Homem Aranha de lado no balde para brincar com uma “enfermeira heroína” de capa e máscara. A peça foi doada ao Hospital de Southampton, no Reino Unido, e leiloada, com as receitas a reverter para o Serviço Nacional de Saúde britânico (NHS, na sigla em inglês).

Em Julho passado, If you don’t mask — you don’t get, um vídeo publicado na conta de Instagram do artista de rua, mostrava um homem (que podia ou não ser Banksy) a pintar no metropolitano stencils de ratos que mostravam dificuldade em colocar as máscaras protectoras ou que as usavam como se fossem pára-quedas.

E por fim, em Outubro, numa parede de Nottingham, em Inglaterra, apareceu a pintura de uma menina a brincar com o pneu de uma bicicleta estragada intitulada a “menina do hula-hoop. Nessa altura, também na sua conta de Instagram, o artista partilhou uma fotografia encenada, pois além da figura a preto e branco, via-se uma bicicleta sem roda amarrada a um candeeiro de rua.