Eduardo Lourenço (1923-2020): a volúpia de pensar

O maior ensaísta português do século XX morreu esta terça-feira, aos 97 anos. O Labirinto da Saudade, impiedosa exposição do irrealismo nacional, tornou-o conhecido do grande público e transformou-o no pensador de serviço da nação. Ouvi-lo pensar ao vivo foi um dos privilégios do Portugal democrático. Mas a poesia era a sua verdadeira casa, e foi no confronto com o génio de Fernando Pessoa que o seu pensamento mais luminosamente brilhou.

Foto
Nuno Ferreira Santos

Veio da filosofia, da qual nunca verdadeiramente saiu, mas era entre poetas que se sentia em casa. Eduardo Lourenço foi, nem vale a pena dizê-lo de tão óbvio, o maior ensaísta português do século XX. A sua impiedosa exposição do irrealismo pátrio em O Labirinto da Saudade (1978) tornou-o conhecido do grande público e transformou-o, um tanto paradoxalmente, no requisitado pensador de serviço do “destino português”. Mas essa mesma notoriedade foi deixando um pouco na sombra o Eduardo Lourenço a quem devemos algumas das mais iluminantes e sedutoras páginas que se escreveram sobre poesia e poetas, e no centro das quais brilha o seu íntimo confronto com o estilhaçado génio de Fernando Pessoa.