Covid-19: hospital de Santa Maria suspende actividade cirúrgica não urgente

Maior hospital do país suspendeu a actividade cirúrgica considerada não prioritária, mas mantém a actividade de ambulatório, nomeadamente a cirurgia de ambulatório, consultas e hospitais de dia.

Foto
Hospital de Santa Maria, em Lisboa MÁRIO CRUZ/LUSA

O Hospital de Santa Maria, em Lisboa, o maior hospital do país, suspendeu toda a actividade cirúrgica não urgente “de acordo com as orientações da tutela e no âmbito do alargamento da capacidade de resposta à covid-19”, nomeadamente em termos de enfermaria e cuidados intensivos, confirmou ao PÚBLICO fonte do gabinete de comunicação do Centro Hospitalar Lisboa Norte (CHLN), que explicou que a medida também se aplica ao Hospital de Pulido Valente.

A administração do CHLN informou os profissionais de saúde sobre a medida adoptada na noite desta quarta-feira. A mesma fonte esclareceu que as cirurgias não prioritárias serão reprogramadas e que esta é uma medida “transitória” durante esta fase de reforço de resposta à covid-19.

Por outro lado, manter-se-á a actividade de ambulatório, nomeadamente a cirurgia de ambulatório, consultas e hospitais de dia.

A mesma fonte lembra ainda ao PÚBLICO que a medida foi tomada em linha com o despacho do Ministério da Saúde, divulgado a 4 de Novembro, que estabelece que os hospitais, em articulação com as administrações regionais de saúde, têm luz verde para avaliarem a necessidade de suspenderem a actividade assistencial considerada não urgente neste mês de Novembro.

A covid-19 está a provocar uma sobrecarga desigual nos hospitais do país — no Centro Hospitalar e Universitário de Lisboa Norte, a que pertence o Hospital de Santa Maria, a capacidade do serviço está entre os 90% e os 95%. Ao PÚBLICO, especialistas admitiram que os hospitais deveriam suspender as cirurgias não prioritárias e reforçar a capacidade de transporte de doentes entre hospitais para “achatar” a curva e preservar a capacidade de resposta hospitalar à covid-19.