A Estrutura tem a Língua nas mãos (para quem a “ouve” com os olhos)

A companhia de teatro do Porto deita a língua de fora aos viciados no som e apresenta um espectáculo bilingue em que a língua gestual portuguesa “é um elemento primordial” — e tem mais espaço do que o pequeno canto lateral que lhe costumam destinar. Está em cena até domingo, no Teatro Carlos Alberto.

Foto
Nelson Garrido

Sem sucesso, a actriz que se apoderou do palco antes de o espectáculo​ começar tenta interromper a intérprete que pede, em Língua Gestual Portuguesa (LGP), que se desliguem os telemóveis. Quer dizer-lhe que, por ela, podem continuar ligados e a fazer bip. Não a perturbam. A luz branca pode estar com intensidade máxima e a acender-se e a apagar-se sempre que o telemóvel vibrar por uma mensagem, uma notificação ou outra coisa qualquer sem importância. Não a distrai. “Eu adoro luzes”, começa a explicar-se numa língua que vive de imagens, agora para a plateia, num monólogo cada vez mais fervoroso, mas (quase) sem som. Para quem se sente às escuras, a Surda — assim se chama a personagem  gestualiza um mantra para o resto da peça: “Imaginem uma dança contemporânea. Deixem-se levar pela língua. Não sejam oralistas. Esqueçam o ‘fonocentrismo’.” Os papéis inverteram-se. “É desconfortável, não é?”

O que Joana Cottim está a exigir é uma oportunidade para estender a todo o palco a experiência da língua gestual, normalmente confinada a um canto ou a um quadradinho no ecrã, e forçar a audiência a “escolher para que sítio vai olhar: se para o intérprete de LGP, se para a cena”. E os fundadores da companhia de teatro Estrutura, Cátia Pinheiro e José Nunes, em conjunto com o actor Diogo Bento, todos ouvintes, decidiram deixar os espectadores olharem para onde quiserem.

Foto
Joana Cottim ajudou os criadores do espectáculo a porem a LGP no centro do palco Nelson Garrido

Os criadores de Língua não querem deixar ninguém desconfortável no Teatro Carlos Alberto, no Porto, que recebe este novo espectáculo plurilinguístico da Estrutura desta quinta-feira e até domingo. Talvez só um bocadinho, e sem maldade, na cena inicial, exclusivamente interpretada em LGP. “O que se pretende é que não haja aquilo que infelizmente se vê, uma espécie de aniquilação de uma língua pela outra. Como se fosse necessário matar uma língua para a minha sobreviver”, apresenta Diogo Bento.

Interacção sem invasão

Em 2016, aquando da estreia do serviço de LGP do Teatro Nacional São João, Joana Cottim começou a colaborar num trabalho de tradução feito a quatro mãos, entre uma intérprete ouvinte e uma intérprete surda. Mas “este desafio é completamente diferente”, explica. Não foi (apenas) chamada como mediadora, para explicar como um surdo sente o teatro. Por cima de uma t-shirt em que um dos principais defensores do oralismo, Alexander Graham Bell, aparece cancelado com um “x”, vestiu um fato com lantejoulas que reflecte a luz para a fazer chegar a todo o lado — “a luz é fundamental”, repete em palco. Assumiu o papel de protagonista. “Sou uma freak, apresenta-se a personagem. 

Foto
Nelson Garrido

“Foi depois de a conhecermos que percebemos que o centro do palco tinha de ser dela”, conta Diogo Bento. Os actores ouvintes aprenderam LGP para poderem integrar esta peça que “leva ao limite o questionamento do que pode ser uma língua”, ao mesmo tempo que, explica José Nunes, mostra como ela é um “veículo identitário” da comunidade surda — uma comunidade que não tem em comum apenas algum grau de perda auditiva, mas também uma identidade linguística e cultural particular.

“Nós estamos como visitantes de uma comunidade com quem queremos aprender, sem nos apropriarmos de”, explica o encenador. “O texto inicial teve imensas mudanças até agora, por causa de dicas que eu fui dando”, acrescenta Joana Cottim. “Coisas específicas da língua, que eles nunca imaginaram: por exemplo, o silêncio corresponder ao escuro. Não senti que foi uma invasão, senti que foi uma interacção em que as duas línguas estariam em pé de igualdade e há um respeito entre elas.”

Foto
A Estrutura apresenta uma peça onde "várias línguas coexistem em vários registos". Aqui, Diogo Bento traduz, com a voz, o que Joana Cottim gestualiza. Nelson Garrido

Depois da carreira no Porto, o espectáculo​ partirá para o São Luiz Teatro Municipal, em Lisboa, e para o Centro Cultural de Ílhavo, em 2021. “Os teatros mais sensíveis à proposta foram os que já tinham um trabalho feito em LGP, de outros não tivemos resposta”, comenta José Nunes. Acho que um teatro que não tenha um serviço educativo ou um serviço de mediação de públicos, e que não tenha preocupações com a acessibilidade, muito provavelmente vê isto mais como um imbróglio na programação do que propriamente uma coisa positiva.”

Ainda há tempo para mudar o panorama. Joana Cottim relembra a primeira vez que os Palmilha Dentada, sob o seu olhar atento, “colocaram a intérprete no centro do palco”. “Senti que foi uma vitória”, confessa, antes de fazer uma pausa.“Mas a taça consegui-a agora.”