Eleições EUA 2020

Washington veste-se de madeira para se proteger de eventuais distúrbios

Lojas do centro da capital dos EUA estão a colocar placas de madeira nas janelas nos últimos dias. A medida foi tomada para evitar conflitos após a divulgação dos resultados das eleições presidenciais desta terça-feira.

LUSA/Mário Cruz
Fotogaleria
LUSA/Mário Cruz

Muitas janelas dos estabelecimentos comerciais do centro de Washington D.C. preenchem-se de placas de madeira, desde o fim-de-semana, devido ao receio de distúrbios quando forem conhecidos os resultados das eleições presidenciais americanas desta terça-feira, 3 de Novembro. Junto à Casa Branca também se vêem cartazes de protesto do movimento Black Lives Matter, com mensagens e fotografias espalhadas pelas grades.

"Isto parece um forte de 'cowboys'. Os 'gringos' [norte-americanos] estão com medo de que se 'monte' aqui uma grande confusão na terça-feira à noite e, por isso, fomos mandados para aqui para tapar as montras", disse à agência Lusa um operário de origem salvadorenha, no centro da cidade de Washington.

Segundo a AFP, há dias que pelas ruas de Washington se ouvem sons de marteladas, berbequins e serras e se vêem trabalhadores a tapar as janelas em cada canto. De acordo com a CNN, também as fachadas da loja Macy's, em Nova Iorque, também estão cobertas com pranchas de contraplacado. Para a noite desta terça-feira, há quem tema cenários catastróficos, em que os apoiantes de Donald Trump ou de Joe Biden saiam à rua para exigir a retirada do adversário, podendo até existir recurso ao uso de armas. E o Presidente Donald Trump não tem contribuído para acalmar os ânimos: o candidato republicano, que procura um segundo mandato, já deu a entender que poderá não abrir mão do poder de forma pacífica, se não for o candidato eleito.

Além disso, sabe-se que estão planeadas várias  manifestações. De acordo com a AFP, o movimento Shutdown DC pediu autorização para juntar 10 mil pessoas na Black Lives Matter Square, perto da Casa Branca, para, entre música e discursos, acompanharem aos resultados. A agência refere ainda que a polícia vai encerrar várias artérias ao redor da Casa Branca na terça e quarta-feira. 

Apesar da presença da polícia, os manifestantes do movimento Black Lifes Matter mantêm-se frente às grades de proteção da Casa Branca. "Este protesto é contra a violência policial, mas também é um protesto contra [Donald] Trump porque ele dá apoio aos polícias que estão a atacar os negros", disse à Lusa Nadine Sally, que se vai manter no local "pelo menos até quarta-feira". "Vou ficar aqui no dia 3 [terça-feira] e no dia 4 [quarta-feira] também. Em Washington, as pessoas podem votar até terça-feira, por isso, estamos aqui para apelar ao voto. Para as pessoas irem votar porque tudo isto que está a acontecer não é normal", acrescentou.

A sede do Departamento dos Veteranos é o edifício público mais próximo do local onde os manifestantes se encontram e, tal como as assembleias de voto da zona centro da capital dos EUA, está protegida com madeira. As urnas abriram às 07h (12h em Lisboa). Até agora, mais de 90 milhões de pessoas votaram por antecipação ou por voto de correspondência, esperando-se já um elevado nível de participação eleitoral.

EPA/MARIO CRUZ
EPA/MARIO CRUZ
EPA/MARIO CRUZ
EPA/MARIO CRUZ
EPA/MARIO CRUZ
EPA/MARIO CRUZ
EPA/MARIO CRUZ
EPA/MARIO CRUZ
EPA/MARIO CRUZ
EPA/MARIO CRUZ
EPA/MARIO CRUZ
LUSA/Mário Cruz
Sugerir correcção