Boris Johnson anuncia confinamento em Inglaterra até Dezembro

Medidas entram em vigor na próxima quinta-feira e vigoram até 2 de Dezembro. Ingleses devem ficar em casa sempre que possível e lojas não essenciais, bares e restaurantes vão fechar. Escolas e universidades continuam abertas.

Foto
TOBY MELVILLE/Reuters

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, anunciou este sábado um novo confinamento em Inglaterra, depois de o Reino Unido ter ultrapassado o patamar de um milhão de infectados com coronavírus, numa altura em que o sistema de saúde começa a ceder.

As novas medidas foram anunciadas ao final da tarde, numa conferência de imprensa em Downing Street, com Johnson a anunciar que o confinamento entrará em vigor na madrugada do próximo dia 4 de Novembro e durará pelo menos até 2 de Dezembro.

“Ninguém quer impor estas medidas em lado nenhum (...), [mas] se não agirmos teremos mais mortes que em Abril”, afirmou o primeiro-ministro britânico. “Temos de agir agora. Se não o fizermos, podemos ter milhares de mortes no país diariamente”, alertou.

Nesse sentido, todos os ingleses devem ficar em casa a partir da próxima quinta-feira, salvo em excepções como ir trabalhar ou ir à escola, compras essenciais, cuidar de familiares necessitados, exercício ao ar livre ou questões médicas.

O teletrabalho, nos casos em que é possível, torna-se obrigatório e os bares, cafés, pubs e restaurantes vão ficar de porta fechada, podendo funcionar apenas em take-away. Lojas não essenciais, serviços de lazer e entretenimento devem encerrar.

Por outro lado, lojas essenciais - como mercearias -, universidades, escolas e creches vão continuar abertas. “Não podemos deixar que o vírus cause ainda mais estragos ao futuro das nossas crianças”, defendeu Johnson.

Os jogos do principal campeonato de futebol inglês (Premier League) vão continuar, com as restrições actuais, anunciou ainda o primeiro-ministro.

Os locais de culto vão continuar abertos, mas apenas para orações em privado, enquanto os funerais serão limitados a familiares.

As novas medidas serão publicadas oficialmente na terça-feira e serão votados pelos deputados na quarta-feira. Se forem aprovadas, como é expectável tendo em conta a maioria que os conservadores detêm no Parlamento, entrarão em vigor no dia seguinte.

Para já, o confinamento aplica-se apenas a Inglaterra. Irlanda do Norte, Escócia e País de Gales podem estabelecer as suas próprias medidas.

O objectivo do Governo britânico, que seguiu os conselhos dos epidemiologistas, é introduzir medidas mais rígidas nesta fase para tentar evitar um novo confinamento no período de Natal. As medidas serão revistas daqui a um mês, mas Boris Johnson não descarta a possibilidade de as prolongar.

“O Natal vai ser diferente este ano, talvez bastante diferente, mas tenho a mais sincera esperança que ao tomar medidas mais restritivas agora possamos permitir que as famílias de todo o país possam estar juntas”, afirmou Johnson.

Com o confinamento anunciado este sábado, Inglaterra junta-se assim a França e Alemanha, que na quarta-feira passada anunciaram medidas semelhantes a nível nacional para combater a pandemia de covid-19.

Desde o início da pandemia, o Reino Unido já registou mais de um milhão de infecções por SARS-CoV-2, tendo morrido quase 47 mil pessoas devido à covid-19