“Temos de agir já”: França e Alemanha com novos confinamentos parciais

Escolas vão manter-se abertas nos dois países. Em França vai ser preciso mostrar autorizações para circular. Merkel quer com novas “medidas duras” evitar um novo confinamento geral.

coronavirus,pglobal,mundo,alemanha,franca,espanha,
Foto
Macron enuncia as medidas do novo confinamento nacional, menos duro do que o do início da pandemia Christian Hartmann/REUTERS

O Presidente francês, Emmanuel Macron, anunciou que o país vai entrar num novo período de confinamento nacional, embora não tão restrito como o do início da pandemia, depois de antes a chanceler alemã, Angela Merkel, anunciar um semi-confinamento durante quatro semanas. 

Macron detalhou potenciais cenários de acção e a situação do país - “Haverá 9000 camas de cuidados intensivos ocupadas por doentes com covid-19 dentro de duas semanas”; essa é a capacidade total destas unidades , para anunciar “um novo confinamento nacional” que começa na noite de quinta para sexta-feira. “Cada segundo conta.”

Ainda assim, este confinamento é diferente do anterior, com base no que já se aprendeu, disse o Presidente francês. Por exemplo, aprendeu-se que é importante manter infantários e escolas abertas, ou permitir visitas aos lares ou a doentes a receber cuidados paliativos, “desde que com os cuidados máximos”. Os cemitérios vão manter-se abertos no fim-de-semana, adiantou.

Mas, para sair de casa, é preciso uma razão, disse Macron. Tal como no confinamento anterior, e confirmada por declarações. Seja para ir de casa para o trabalho —​ embora o teletrabalho seja incentivado sempre que possível, sublinhou —, ao médico, às compras, ou fazer exercício.

Vão continuar abertos os serviços públicos e actividades como a construção, disse Macron, apelando a todos que “apoiem os negócios do vosso bairro, peçam refeições ou ajudem de outro modo”.

Embora tente proteger a economia, Macron disse que não vê como pode a economia estar saudável com um vírus a assoberbar o sistema de saúde e a provocar milhares de mortes, e com os médicos nos hospitais “a ter de decidir que doente tratar e que doente deixar ir”.

Macron disse ainda que a situação não é exclusiva de França e defendeu que “o vírus espalha-se a um ritmo que mesmo as previsões mais pessimistas não antecipavam”. França registou esta quarta-feira 36.437 novos casos de infecção e 523 mortes (as medidas serão relaxadas quando o número de infecções diárias baixar para cinco mil, disse Macron). 

"Perdemos o controlo”, diz Merkel

A chanceler alemã, Angela Merkel, que foi acusada de alarmismo quando, no mês passado, sugeriu que no país poderia haver 19 mil infectados por dia na altura do Natal, concordaria com a afirmação de Macron sobre as previsões mais pessimistas — o número que indicou parece agora baixo, quando a Alemanha registou 14,964 infecções, um recorde, e 85 mortes.

Merkel também anunciou esta quarta-feira as medidas na Alemanha: o encerramento de estabelecimentos como bares, restaurantes, cafés, ginásios, cinemas e salas de espectáculos ao vivo a partir de segunda-feira, 2 de Novembro, durante quatro semanas.

“Medidas duras” que são um esforço de não voltar a ter de decretar um confinamento nacional, disse. “É muito claro que temos de agir, e já.”

Outras restrições incluem as dormidas em hotéis, disponíveis apenas para casos excepcionais. Ao ar livre, podem-se encontrar no máximo dez pessoas que pertençam a não mais de duas famílias ou agregados familiares. 

As lojas vão poder estar abertas se no interior estiver apenas um cliente por cada dez metros quadrados.

A maior excepção a estas regras são as escolas: o principal objectivo é, sublinhou a chanceler, manter infantários e escolas abertas e a funcionar.

“Estamos num ponto em que, em média a nível nacional, já não sabemos de onde vêm 75% das infecções”, notou Merkel. O que significa isto? “Perdemos o controlo.” Já não é possível, em certos locais como Berlim, manter o sistema rastreio de contactos — que o Financial Times classificou como “a arma secreta da Alemanha contra o vírus”.

O país não se pode arriscar, continuou Merkel, a ficar com o sistema de saúde sem capacidade, o que com a dinâmica exponencial actual aconteceria “dentro de semanas”. 

Em Espanha, onde no domingo o Governo de Pedro Sánchez aprovou um estado de emergência que implica recolher obrigatório nocturno e deu às regiões mais poder para decidir medidas de restrição, acções adicionais continuavam a ser discutidas, incluindo proibição de circulação entre elas —​ Madrid deverá ficar sujeita a esta medida apenas nos dois próximos fins-de-semana, que são prolongados.

Segundo o diário El País, outras regiões, como a Catalunha, estão a considerar medidas além das nacionais, como o encerramento da restauração ou a suspensão das actividades desportivas.

Sugerir correcção