Minho: ouvir o silêncio em Cabeceiras de Basto

O que terá atraído, no século XII, um conjunto de eremitas ao território que é hoje Cabeceiras de Basto? O abrigo dos montes? A abundância de água e a fartura da terra? A floresta da Cabreira? No concelho minhoto que arranha Trás-os-Montes, dos abades ficou o silêncio que deixa ouvir o resto.

passeios,cabeceiras-basto,minho,fugas,patrimonio,braga,
Fotogaleria
Serra da Cabreira, Moinhos de Rei Adriano Miranda
passeios,cabeceiras-basto,minho,fugas,patrimonio,braga,
Fotogaleria
Serra da Cabreira, Moinhos de Rei Adriano Miranda
passeios,cabeceiras-basto,minho,fugas,patrimonio,braga,
Fotogaleria
Serra da Cabreira, Moinhos de Rei Adriano Miranda
Fotogaleria
Serra da Cabreira Adriano Miranda
Fotogaleria
Serra da Cabreira, Ponte de Cavez Adriano Miranda
Cabeceiras de Basto
Fotogaleria
Serra da Cabreira - Moscoso Adriano Miranda
Fotogaleria
Serra da Cabreira - Moscoso Adriano Miranda
passeios,cabeceiras-basto,minho,fugas,patrimonio,braga,
Fotogaleria
Serra da Cabreira - Moscoso Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda

Quinta-feira, meio-dia, a buzina do peixeiro faz parar tudo em Abadim, onde tudo, aliás, já estava parado. Subindo a encosta que dá à vista os lameiros onde pastam minhotas e barrosãs, há uvas e castanhas, a água corre pelo musgo da curva de cima para a de baixo. Na verdade, até há muito a acontecer. Vejam-se as couves-galegas, já a meio das janelas do rés-do-chão. As abóboras todas colhidas, qual bicho disforme que, gordo ou narigudo, assenta nos lancis e telhados, onde possa pousar sem estorvar os pés. As uvas e as castanhas lá atrás, prontas e prontíssimas. O concelho anda todo azafamado a vindimar, fim de Setembro é, e o ano foi bom para os vinhos verdes, diz-se. Escadotes para cima, tesouras para baixo, cestos grandes de vime, ainda nos cimos das cabeças. A bosta de um castanho leve no chão, sempre, que o gado mantém-se forte por terras de Basto, mais precisamente Cabeceiras, onde estamos e ainda não havíamos precisado.