EUA: Papa nomeia primeiro cardeal afro-americano, Wilton Gregory

Gregory será um dos 13 novos cardeais, numa renovação destinada a reconstruir a confiança na Igreja Católica depois do abalo que a instituição sofreu com os escândalos dos abusos sexuais de padres.

papa-francisco,pedofilia,igreja-catolica,mundo,religiao,vaticano,
Foto
Wilton Gregory Getty Images

O Papa Francisco anunciou neste domingo que, em Novembro, nomeará o arcebispo de Washington, Wilton Gregory, cardeal, tornando-o no primeiro afro-americano a ter este título nos Estados Unidos.

Gregory será um dos 13 novos cardeais, numa renovação destinada a reconstruir a confiança na Igreja Católica depois do abalo que a instituição sofreu com os escândalos dos abusos sexuais de padres.

O arcebispo de 72 anos, originário de Chicago, tem falado várias vezes de questões raciais nos EUA. Após a morte de George Floyd, sob o joelho de um polícia, em Maio, Gregory declarou que foi revelado “mais uma vez o vírus do racismo, mesmo quando estamos a lidar com a pandemia do coronavírus”.  

Gregory foi ainda um de vários responsáveis da Igreja que criticou a ida do Presidente Donald Trump a uma igreja católica perto da Casa Branca (para Trump passar, a polícia usou gás lacrimogéneo contra manifestantes), com palavras especialmente duras: “É desconcertante e repreensível que um local católico permita ser usado de modo tão flagrante e manipulado de um modo que viola os nossos princípios religiosos, que ditam que defendamos os direitos de todas as pessoas, até aquelas das quais pudéssemos discordar.”

Wilton Gregory foi vice-presidente da Conferência Episcopal Americana de 1998 a 2001 e presidente de 2001 a 2004. Dirigiu o processo dentro da Igreja Católica dos EUA para travar e lidar com os casos de abusos sexuais.

Francisco aceitou em Outubro de 2018 a renúncia do arcebispo de Washington (DC), o cardeal Donald Wuerl, depois de, num relatório publicado em Agosto desse ano, este ter sido acusado de encobrir casos de abuso infantil na Pensilvânia. Gregory sucedeu-lhe como arcebispo de Washington.

A renúncia aconteceu pouco depois de o Vaticano ter anunciado uma investigação ao caso do cardeal Theodore McCarrick, que também foi arcebispo de Washington, e que foi destituído do sacerdócio em Fevereiro de 2019.

Quanto às nomeações dos 13 novos cardeais, anunciadas aos fiéis na Praça de São Pedro, o Papa Francisco continuou a sua tradição de escolher bispos de países e dioceses raramente representadas, incluindo os primeiros cardeais do Ruanda e do Brunei.​

Não foram dados detalhes sobre a cerimónia oficial no Vaticano, que poderá levar algum tempo a acontecer por causa das restrições de viagens entre vários países por causa da pandemia da covid-19.

Sugerir correcção