FCT atribui 1350 bolsas de doutoramento

O concurso deste ano teve 3797 candidaturas, mais 400 do que em 2019.

ministerio-ciencia,bolsas-investigacao-,ciencia,fct,politica-cientifica,
Foto
A taxa de aprovação foi de 41,6% do total das candidaturas elegíveis Sandra Ribeiro

A Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) anunciou a atribuição de 1350 bolsas nos resultados provisórios do concurso de bolsas de doutoramento​. O concurso deste ano teve 3797 candidaturas, mais 400 do que em 2019, e os resultados foram divulgados na semana passada. A taxa de aprovação foi de 41,6% do total das candidaturas elegíveis para financiamento. Os resultados finais do concurso serão divulgados pela FCT a 30 de Novembro.

Num comunicado desta terça-feira do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, destaca-se que, no âmbito do Concurso Geral para a Atribuição de Bolsas de Doutoramento de 2020, dos candidatos seleccionados 81% têm nacionalidade portuguesa. Mas, no total, foram atribuídas bolsas a candidatos de 43 países, entre eles, 115 bolsas a candidatos brasileiros, a 41 italianos, 15 iranianos, 12 espanhóis e dez alemães. As mulheres representam 58% dos candidatos.

Das bolsas agora atribuídas, 80% serão realizadas integralmente em Portugal, 17% serão mistas (parte em Portugal e parte no estrangeiro) e 3% serão desenvolvidas só no estrangeiro. Se se juntar estas bolsas a outras atribuídas anualmente tanto de programas específicos como de parcerias internacionais, no comunicado destaca-se que se espera que “o total de novas bolsas a apoiar até ao final de 2020 atinja cerca de 2200 bolsas de doutoramento”.

Devido à pandemia de covid-19, houve uma prorrogação do período de candidaturas deste concurso por mais um mês, que terminou a 28 de Abril. O prazo legal do anúncio dos resultados provisórios deveria ter sido anunciado até 3 de Setembro, pois a FCT tem 90 dias úteis para apresentar os resultados provisórios depois do final das candidaturas. A fundação que financia as actividades de investigação científica no país (sob a tutela do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior) acabou por adiar o prazo para 30 de Setembro.

Sugerir correcção